Os melhores e os piores países para imigrantes em 2021

Expatriados que moram no Brasil - 35º colocado no ranking - se consideram felizes e elogiam simpatia da população .

Redação
Compartilhe esta publicação:
 aydinmutlu/Getty Images
aydinmutlu/Getty Images

Levantamento leva em consideração a satisfação dos expatriados em categorias como qualidade de vida e finanças pessoais

Acessibilidade


A InterNations divulgou hoje (18) os resultados da sétima edição da pesquisa “Expat Insider 2021”, que analisa a vida de 4 milhões de pessoas que vivem fora de seus países. Com mais de 12.000 entrevistados, este é um dos levantamentos mais extensos sobre morar e trabalhar no exterior, com percepções sobre a vida dos expatriados em 59 diferentes países. A pesquisa oferece informações detalhadas sobre a satisfação – ou a insatisfação – com a qualidade de vida, facilidade em se estabelecer, vida profissional e finanças pessoais nos países em que essas vivem. Além disso, os entrevistados revelaram como estão enfrentando a pandemia de Covid-19 e como ela afetou suas vidas.

De modo geral, Taiwan, México e Costa Rica são os melhores destinos para os expatriados em todo o mundo: todos eles atraem estrangeiros pela facilidade de adaptação e finanças pessoais saudáveis. Por outro lado, todos os três últimos países do ranking, Kuwait, Itália e África do Sul, apresentam desempenho ruim na categoria trabalho. O Kuwait, particularmente, é o país mais difícil para os expatriados se sentirem em casa, a Itália é o pior país para as finanças pessoais e os estrangeiros não se sentem seguros na África do Sul.

O Brasil aparece na 35ª posição. Embora os expatriados não considerem o país pacífico, politicamente estável ou seguro, eles ainda se mostraram felizes com sua vida por aqui, classificaram como muito fácil se estabelecer em território brasileiro e elogiaram a simpatia da população. Na categoria qualidade de vida, o país ocupa o 46º lugar, enquanto na subcategoria segurança e proteção aparece no penúltimo lugar (58º), à frente apenas da África do Sul.

LEIA TAMBÉM: 10 melhores e piores cidades para expatriados em 2020

Mesmo assim, considerando todas as categorias analisadas, 85% dos expatriados estão satisfeitos com sua vida em geral – 10% a mais do que a média global (75%). Além disso, 94% dos entrevistados avaliam o clima e a atmosfera local de forma positiva (vs. 66% globalmente).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Antes da Covid-19, era possível encontrar pessoas tocando música e dançando nas ruas aos fins de semana e sempre éramos bem-vindos”, conta um expatriado australiano que vive no Brasil. Um outro expatriado, chinês, diz que “os brasileiros são muito amigáveis, o que faz uma grande diferença na vida no Brasil”.

“Apesar de não falar português, já fui ajudado muitas vezes de muitas maneiras diferentes. Os pequenos atos aleatórios de gentileza de estranhos aqueceram meu coração e me fizeram querer aprender o idioma, para poder aprender mais sobre a cultura brasileira”, relatou um expatriado indiano.

O IMPACTO DA COVID-19 E A PERCEPÇÃO ESTRANGEIRA

Assim como no mundo todo, a maioria dos expatriados que vivem no Brasil (66%) afirma que a pandemia não afetou o período de tempo em que eles planejam permanecer no país (vs. 63% globalmente). No entanto, a crise sanitária teve um impacto na vida social (25% versus 24% globalmente), viagens pessoais (20% x 28%) e trabalho ou negócios (15%, a mesma taxa do mundo todo).

Para expatriados que vivem por aqui, as três principais fontes de informação sobre a pandemia são o noticiário local (58% vs. 47% globalmente), as mídias sociais (36% x 40%) e as notícias de outros expatriados ou a mídia internacional (32%, assim como a média global). Mas 43% dos expatriados não estão satisfeitos com a comunicação oficial sobre a Covid-19 e regulamentações relacionadas ao tema – uma parcela muito maior do que a média global (17%). Dos insatisfeitos, 71% consideram as informações pouco claras, confusas e contraditórias (contra 67% globalmente).

Para fazer o levantamento, a InterNations ouviu, entre 7 e 31 de janeiro de 2021, 12.420 expatriados de 174 nacionalidades que vivem em 186 países ou territórios, que forneceram informações sobre vários aspectos de suas vidas. Os participantes foram convidados a avaliar até 37 características da vida no exterior, em uma escala de um a sete. O processo de classificação enfatizou a satisfação com esses aspectos, considerando tanto os tópicos emocionais quanto os ângulos mais factuais, com igual peso. As avaliações dos entrevistados sobre os fatores individuais foram agrupadas em várias combinações para um total de 13 subcategorias, e seus valores médios foram usados ​​para traçar quatro índices: qualidade de vida, facilidade em se estabelecer, trabalho e finanças pessoais. Posteriormente, esses índices foram calculados juntamente com a satisfação geral dos expatriados com suas vidas para classificar os 59 destinos.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os 10 melhores países para expatriados, os 10 piores e o Brasil, com as respectivas notas de cada categoria:

  • Os 10 melhores países para expatriados:

    chenning.sung @ Taiwan/Getty Images
  • 1. Taiwan

    Qualidade de Vida: 1º
    Facilidade em se estabelecer: 13º
    Trabalho: 1º
    Finanças pessoais: 11º

    Kecl/Getty Images
  • 2. México

    Qualidade de Vida: 31º
    Facilidade em se estabelecer: 1º
    Trabalho: 22º
    Finanças pessoais: 2º

    Fitopardo/Getty Images
  • 3. Costa Rica

    Qualidade de Vida: 14º
    Facilidade em se estabelecer: 3º
    Trabalho: 16º
    Finanças pessoais: 7º

    Getty Images
  • 4. Malásia

    Qualidade de Vida: 19º
    Facilidade em se estabelecer: 2º
    Trabalho: 25º
    Finanças pessoais: 9º

    iStock
  • 5. Portugal

    Qualidade de Vida: 3º
    Facilidade em se estabelecer: 9º
    Trabalho: 36º
    Finanças pessoais: 14º

    Alexander Spatari/Getty Images
  • 6. Nova Zelândia

    Qualidade de Vida: 11º
    Facilidade em se estabelecer: 16º
    Trabalho: 2º
    Finanças pessoais: 28º

    iStock
  • 7. Austrália

    Qualidade de Vida: 6º
    Facilidade em se estabelecer: 18º
    Trabalho: 10º
    Finanças pessoais: 39º

    Prasit photo/Getty Images
  • 8. Equador

    Qualidade de Vida: 24º
    Facilidade em se estabelecer: 10º
    Trabalho: 34º
    Finanças pessoais: 5º

    Getty Images
  • 9. Canadá

    Qualidade de Vida: 5º
    Facilidade em se estabelecer: 12º
    Trabalho: 12º
    Finanças pessoais: 50º

    Getty Images
  • 10. Vietnã

    Qualidade de Vida: 53º
    Facilidade em se estabelecer: 25º
    Trabalho: 9º
    Finanças pessoais: 1º

    iStock
  • Os 10 piores países para expatriados:

    Arunprasad Sahadevan /EyeEm/Getty Images
  • 59. Kuwait

    Qualidade de Vida: 59º
    Facilidade em se estabelecer: 59º
    Trabalho: 56º
    Finanças pessoais: 58º

    iShqification/Getty Images
  • 58. Itália

    Qualidade de Vida: 42º
    Facilidade em se estabelecer: 44º
    Trabalho: 58º
    Finanças pessoais: 59º

    Harald Nachtmann/Getty Images
  • 57. África do Sul

    Qualidade de Vida: 52º
    Facilidade em se estabelecer: 33º
    Trabalho: 54º
    Finanças pessoais: 55º

    Gerrit Jordaan/EyeEm/Getty Images
  • 56. Rússia

    Qualidade de Vida: 49º
    Facilidade em se estabelecer: 48º
    Trabalho: 52º
    Finanças pessoais: 47º

    christophefaugere/GettyImages
  • 55. Egito

    Qualidade de Vida: 57º
    Facilidade em se estabelecer: 53º
    Trabalho: 1º
    Finanças pessoais: 49º

    George Pachantouris/Getty Images
  • 54. Japão

    Qualidade de Vida: 21º
    Facilidade em se estabelecer: 58º
    Trabalho: 50º
    Finanças pessoais: 54º

    Patrick Foto/Getty Images
  • 53.Chipre

    Qualidade de Vida: 34º
    Facilidade em se estabelecer: 28º
    Trabalho: 57º
    Finanças pessoais: 57º

    tunart/Getty Images
  • 52.Turquia

    Qualidade de Vida: 35º
    Facilidade em se estabelecer: 32º
    Trabalho: 59º
    Finanças pessoais: 44º

    VitalyEdush/Getty Images
  • 51. Índia

    Qualidade de Vida: 58º
    Facilidade em se estabelecer: 34º
    Trabalho: 46º
    Finanças pessoais: 4º

    Kriangkrai Thitimakorn/Getty Images
  • 50. Malta

    Qualidade de Vida: 54º
    Facilidade em se estabelecer: 35º
    Trabalho: 31º
    Finanças pessoais: 51º

    Getty Images
  • 35. Brasil

    Qualidade de Vida: 46º
    Facilidade em se estabelecer: 24º
    Trabalho: 43º
    Finanças pessoais: 22º

    Getty Images

Os 10 melhores países para expatriados:

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: