Vespa completa 75 anos como símbolo do design italiano e ícone da mobilidade urbana

7 curiosidades sobre o scooter italiano criado após a Segunda Guerra Mundial e eternizado pelo cinema.

Arthur Caldeira
Compartilhe esta publicação:
Reprodução
Reprodução

Criada há 75 anos, a Vespa foi concebida na Itália após a Segunda Guerra Mundial e logo se tornou a queridinha entre os italianos por ser acessível e econômica

Acessibilidade


Tanti auguri, Vespa!

A Vespa completa 75 anos como símbolo do design italiano e ícone da mobilidade urbana. Conheça curiosidades do primeiro scooter da história.

VEJA TAMBÉM: Harley-Davidson lança marca de motocicletas totalmente elétricas LiveWire

O DRAMA DO PÓS-GUERRA

A Piaggio, uma das maiores fabricantes italianas de aviões para a Segunda Guerra, havia sido bombardeada e estava praticamente falida. O empresário Enrico Piaggio decidiu, então, abandonar a aeronáutica e entrar na produção de veículos de massas, inspirado no modelo de Henry Ford: objetos utilitários e baratos que chegassem ao maior número de potenciais compradores em uma Itália arrasada economicamente. A Piaggio tinha milhares de pequenos motores estacionários, antes utilizados para dar partida nos aviões do exército, que estavam sem utilidade. Foi aí que Enrico teve aquele clique: vou criar uma moto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

MOTO INSPIRADA EM AVIÃO

Em 1944, dois engenheiros já haviam criado um protótipo de uma moto com escudo protetor na dianteira, que ficou conhecida como Paperino, o apelido do Pato Donald na Itália. Mas Enrico não gostou do que viu. Decidiu contratar o engenheiro aeronáutico Corradino D’Ascanio para criar a primeira moto da Piaggio. Mas havia um problema: D’Ascanio, inventor do helicóptero coaxial, não gostava de motocicletas. Achava-as feias, desconfortáveis, difíceis de pilotar e sujas. Decidiu aplicar ao projeto seus conhecimentos de aerodinâmica. Cobriu todo o conjunto com uma carenagem para que a moto lembrasse um avião. Fixada apenas por uma bengala, a roda dianteira ficava solta pelo lado direito. Inspiração: o trem de pouso de aviões.

BARULHO DE VESPA

Para reduzir o barulho do motor e a sujeira que o incomodava, o engenheiro aeronáutico colocou o motor junto da roda traseira. Era um pequeno motor de dois tempos, que levava a moto a 60 km/h, e tinha câmbio de três velocidades. Quando ouviu o barulho do motor, Enrico Piaggio teria exclamado: “Sembra una vespa!” [parece uma vespa]. Foi com esse nome que o scooter teve sua patente registrada em 1946. Chegou ao mercado no mesmo ano, com motor monocilíndrico de 98 cc e cerca de 3,0 cv de potência.

SUCESSO IMEDIATO

A primeira Vespa, batizada de MP6 (o sexto protótipo de uma Moto Piaggio), foi apresentada na primavera de 1946, no Golf Club de Roma. Naquele mesmo ano, a Vespa foi lançada no Salão de Motos de Milão, evento realizado até os dias atuais, e teve todas as unidades vendidas. Ainda naquele ano, a Piaggio colocou no mercado 2.484 scooters, produzidos na planta de Pontedera. Esse número virou 10.535 no ano seguinte. A Vespa fez um sucesso instantâneo na Itália arrasada pela guerra. Afinal, era acessível e econômica. Perfeita para o momento que o país atravessava.

LÍDER DO MERCADO EUROPEU

A Vespa contribuiu para que a Piaggio se tornasse uma das maiores fabricantes de motocicletas do mundo, líder no segmento de duas rodas na Europa. Controlado pela holding italiana Immsi, o grupo detém hoje, além da Vespa, as marcas Aprilia, Derbi, Gilera e Moto Guzzi e também vende scooters com o nome Piaggio.

Em 2020, o Grupo Piaggio reforçou a liderança no mercado europeu de veículos de duas rodas, com 14,2% de market share e mais de 200 mil unidades vendidas. O bom resultado foi fruto do crescimento significativo nas vendas de motocicletas e do excelente desempenho no segmento de scooters, onde a participação do grupo foi de 24%.

ESTRELA DE CINEMA

A história da Vespa se confunde com clássicos do cinema. O scooter virou símbolo cult e ganhou notoriedade mundial quando Gregory Peck levou Audrey Hepburn para um passeio de Vespa pelo trânsito da capital italiana nas célebres cenas de “A Princesa e o Plebeu” (Roman Holiday, 1953).

Mas foram Marcello Mastroianni e Federico Fellini que criaram o mito, no filme “La Dolce Vita” (1960), e fizeram da Vespa um símbolo da cultura juvenil e rebelde naquela década. Até Salvador Dalí quis “surrealizar” a Vespa de dois jovens que conheceu em Cadaqués, em 1962. O exemplar, pintado e assinado pelo mestre do surrealismo, está no museu da Piaggio em Pontedera, Itália.

A MAIS CARA

Até hoje, a Vespa mais cara do mundo foi arrematada por cerca de US$ 196 mil em leilão em 2017. Conhecida como “número 3”, o modelo era integrante da “série 0” (zero), uma espécie de pré-série com apenas 60 unidades fabricada pela Piaggio em 1946 de forma praticamente artesanal, antes do lançamento oficial. Com motor de 98 cc e câmbio de três marchas, a “Número 3”, como é conhecida, tem as soldas feitas à mão e as partes de aço da estrutura moldadas em formas de madeira.

Veja, na galeria abaixo, algumas imagens da história da Vespa:

  • Reprodução

    Enrico Piaggio, que teve a ideia de fazer uma moto, e
    Corradino D’Ascanio, que concebeu a Vespa

  • Reprodução

    Gregory Peck e Audrey Hepburn, em “A Princesa e o Plebeu” (1953)

  • Reprodução
Reprodução

Enrico Piaggio, que teve a ideia de fazer uma moto, e
Corradino D’Ascanio, que concebeu a Vespa

Reportagem publicada na edição 86, lançada em abril de 2021

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: