Alison dos Santos conquista bronze nos 400m com barreiras dos Jogos de Tóquio

Hannah Mckay/Reuters
Hannah Mckay/Reuters

Alison dos Santos comemora conquista da medalha de bronze nos 400m com barreiras na Olimpíada de Tóquio

O brasileiro Alison dos Santos conquistou a medalha de bronze nos 400m com barreiras dos Jogos de Tóquio, prova que teve quebra do recorde mundial pelo medalhista de ouro, o norueguês Karsten Warholm, com o tempo de 45s94.

O norte-americano Rai Benjamin ficou com a prata ao terminar a prova em 46s17, enquanto o brasileiro fez o tempo de 46s72. No mês passado, Warholm havia quebrado a marca mundial de 29 anos de Kevin Young com o tempo de 46s70.

LEIA TAMBÉM: Martine Grael e Kahena Kunze levam ouro na vela e são bicampeãs olímpicas

“Foi uma prova louca, uma prova muito forte, uma prova histórica onde fizeram o que achavam que era impossível, quebrar a barreira dos 46s. Três atletas correram abaixo de 47s, a prova mais rápida da história, e eu fico muito feliz de estar fazendo parte disso”, disse Alison, conhecido como Piu, segundo nota no site do “Time Brasil”.

“Quando você está correndo não tem noção do tempo que vai fazer, mas eu sabia que a prova estava muito forte e que eu estava brigando para fazer um bom tempo, correr rápido, fazer história, quando eu olhei o telão e vi o resultado, eu sabia que tinha feito minha melhor marca, fiquei muito feliz por isso”, acrescentou.

Piu foi um dos muitos atletas afetados pela pandemia, ficando mais de um ano sem competir e teve Covid-19. Mas em 2021, ele conseguiu retomar a evolução que vinha mostrando desde 2019 e que culminou com o resultado em Tóquio.

“A gente quer mais, evoluir cada vez mais. O que eles fizeram, o que a gente fez hoje é mérito e com trabalho a gente consegue evoluir, chegar perto do recorde mundial e quem sabe um dia se tornar um recordista mundial”, disse o brasileiro de 21 anos, natural de São Joaquim da Barra (SP).

As últimas medalhas do atletismo de pista do Brasil haviam sido conquistadas pelas equipes de revezamento 4x100m livre feminina e masculina, que terminaram em quarto lugar em Pequim 2008, mas receberam o bronze anos depois por conta do escândalo de doping da Rússia. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).