Instalação de arte tecnológica que imita os jardins zen japoneses brilha em Tóquio

Desenvolvida pelo artista Jason Bruges com robôs da BMW, a exposição usa braços robóticos para imitar movimentos dos atletas olímpicos .

Nargess Banks
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Desenvolvida pelo artista Jason Bruges com robôs da BMW, a exposição de arte usa braços robóticos para imitar movimentos dos atletas olímpicos

Acessibilidade


Uma instalação em grande escala de arte robótica está brilhando nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio. O trabalho do artista londrino multidisciplinar e designer Jason Bruges Studio, “The Constant Gardeners” é uma peça ao ar livre que explora, por meio da arte e do design, como a tecnologia pode se tornar uma ferramenta positiva, incentivando-nos a desacelerar e reconectar de maneiras novas e emocionantes com o mundo ao nosso redor.

Inaugurada na última semana e disponível até o dia 5 de setembro no parque Ueno, a instalação combina computação de ponta e robótica industrial com conceitos das antigas tradições dos jardins zen japoneses. Os “Gardeners” são braços robóticos industriais recuperados e reaproveitados da fábrica de carros BMW no estado norte-americano da Carolina do Sul. 

LEIA MAIS: Joalheria Van Cleef & Arpels inaugura exposição em Paris sobre a história das pedras preciosas

Bruges trabalhou com importantes instituições culturais e seu trabalho foi exibido na Tate Gallery, Victoria & Albert e no Museu de História Natural de Londres. Seu trabalho multidisciplinar navega pelos espaços entre arte, tecnologia, arquitetura e design interativo.

“The Constant Gardeners” apresentará diariamente performances que traduzem movimentos de atletas profissionais de uma variedade de modalidades esportivas em padrões dinâmicos. Enquanto isso, os jardineiros robóticos trabalham em uma vasta tela de cascalho para criar cerca de 150 ilustrações singulares. Alguns vão mostrar um evento como uma corrida que se desenrola ao longo do tempo, enquanto outros se concentram em um único momento esportivo espetacular. Bruges conversou com a Forbes e explicou melhor o seu projeto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A instalação ficará exposta em Tóquio até setembro

Forbes: Esta é uma instalação altamente intrigante. Como surgiu a oportunidade?

Jason Bruges: Fomos convidados a criá-la em fevereiro de 2018, como uma nova comissão do Governo Metropolitano de Tóquio e Conselho de Artes de Tóquio, com o apoio do Conselho Britânico.

F: Você pode explicar a ideia conceitual?

JB: Sou fascinado pelo movimento humano e estávamos pesquisando os padrões que poderiam ser criados e como eles poderiam ser representados usando máquinas. Pensamos que havia uma comparação interessante a ser feita entre a maneira como os esportistas elaboram os movimentos dos corpos para dominar suas modalidades, os movimentos precisos e repetitivos das máquinas e a tradição do Jardim Zen. Nesses jardins (os karesansui), os movimentos meditativos dos monges criam montanhas, mares, rios e corpos d’água em movimento. As linhas que eles lançam no cascalho simbolizam o fluxo da água, enquanto em nossa instalação as linhas são usadas para representar os movimentos dos atletas. 

F: Você fala que seu trabalho explora intervenções baseadas no tempo e experiências espaciais para envolver o público com seus ambientes. Como isso se traduz na instalação de Tóquio?

JB: Os visitantes são convidados a explorar uma experiência coreografada ao vivo, que reflete as modalidades esportivas que acontecem naquele dia nos Jogos. A obra de arte pode ser vivenciada como um trecho ou peça duracional – onde é possível contemplar o desdobramento da narrativa, com algumas ilustrações contando a história de um determinado evento, como corrida ou ginástica, e outras focando em um único momento ou movimento. Do deck ao redor do jardim, você pode olhar para as ondulações e marcações e é como olhar para o céu e tentar ler padrões e encontrar seu significado.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O designer londrino Jason Bruges foi o principal responsável pela instalação

F: Você mencionou que os braços robóticos foram reaproveitados da fábrica de automóveis BMW. Eles são parte de robôs redundantes?

JB: Os braços robóticos são robôs completos que realizam processos industriais em uma configuração de fábrica, como soldagem, colocação de peças e montagem. Nós os reaproveitamos para serem usados ​​temporariamente em um contexto cultural. No entanto, por sua dureza e robustez, eles podem ser usados ​​novamente para aplicação industrial.

LEIA MAIS: Robô cirúrgico em miniatura promete revolucionar cirurgias

F: Esta conexão com o automóvel – um símbolo tão forte de indústria e modernidade e agora também de lixo e clima – é importante para o que você estava planejando com esta instalação?

JB: Esses robôs são usados ​​em muitos ambientes diferentes: industrial, agrícola, manufatura, filmagem e até cirurgia. Para esta instalação, nos concentramos nos movimentos precisos e determinados deles e na maneira como são treinados para executar caminhos coreografados muito predefinidos. Queríamos desafiar como essas máquinas eram usadas ​​e percebidas – usando os braços robóticos na instalação para completar tarefas complexas, mostrando seu potencial para ação experimental e criativa.

F: Por que você decidiu traduzir as filmagens dos atletas em ilustrações?

JB: As filmagens dos atletas é como a maior parte do público global consome ou entende os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. Então isso se tornou uma forma onipresente de receber os movimentos nos quais estávamos interessados. Significava que podíamos interpretar e traduzir os movimentos de várias fontes automaticamente e estávamos entusiasmados em usar este meio para fornecer às pessoas a oportunidade de ver os esportes de uma forma diferente e única.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Os braços robóticos desenham nos jardins os movimentos de artistas olímpicos registrados em vídeo

F: Abordar a relação homem/máquina é extremamente atual. Estou interessado em ouvir sua opinião sobre o potencial da robótica e dos sistemas de aprendizado de máquina, da inteligência artificial ​​e além, no avanço de nossas vidas humanas.

JB: Cada avanço na tecnologia tem um impacto positivo e negativo em como vivemos nossas vidas. Usamos técnicas avançadas de processamento de imagem para entender, isolar e processar os movimentos dos atletas, a fim de aplicá-los às coreografias da arte. Os mesmos algoritmos, redes neurais e IA são usados ​​no diagnóstico médico e estão melhorando rapidamente a capacidade do médico de diagnosticar doenças que mudam vidas.

LEIA MAIS: Conheça Jellyfishbot, o robô que come lixo marinho

F: Este deve ter sido um projeto complexo para ser desenvolvido durante a pandemia…

JB: Por causa da pandemia, o processo de desenvolvimento demorou 36 meses, principalmente em nosso estúdio em Londres. Trabalhamos em estreita colaboração com organizações, incluindo Phoenix, Global Robots, Brilliant Stages/Tait, British Council Japan, Arts Council Tokyo e Murayama, que foram todos instrumentais em fazer isso acontecer, para que a arte pudesse finalmente ser revelada no Parque Ueno.

F: O que você espera que os visitantes dos Jogos de Tóquio tirem de sua experiência em “The Constant Gardener”?

JB: Esperamos que os visitantes experimentem inspiração, calma e reflexão e tenham uma nova curiosidade de como a tecnologia pode ser aplicada à experiência humana e as possibilidades criativas que isso representa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: