Joalheria Van Cleef & Arpels inaugura exposição em Paris sobre a história das pedras preciosas

Divulgação/Van Cleef & Arpels
Divulgação/Van Cleef & Arpels

Na mostra “Gems”, a Van Cleef & Arpels leva visitantes por uma jornada desde a formação geológica até a criação das joias de luxo

A célebre joalheria francesa na Place Vendôme Van Cleef & Arpels, em colaboração com o MNHN (Museu Nacional de História Natural) em Paris, apresenta a exposição “Gems”, que explora como as pedras preciosas formadas a partir de minerais nas profundezas da terra são convertidas em peças de joias de beleza indescritível por meio de artesanato meticuloso, com uma abordagem que é ao mesmo tempo científica e artística. Em entrevista à Forbes, Lise Macdonald, diretora de patrimônio e exposição da marca, fala sobre a exposição.

LEIA MAIS: Conheça o laboratório brasileiro que transforma cinzas em diamantes

Forbes: Como surgiu a ideia da exposição “Gems”?

Lise Macdonald: A Van Cleef & Arpels e o MNHN decidiram colaborar em um projeto curatorial que entrelaça arte e ciência por meio de gemologia, mineralogia e joias. Nossa parceria começou em 2016 com a exposição “The Art and Science of Gems”,  no ArtScience Museum, em Singapura. A atual exibição foca em minerais, gemas e aprofunda mais no aspecto científico – e selecionamos nossas criações para acompanhar e enfatizar esse ângulo. Nesse sentido, as diferentes coleções ecoam umas nas outras de forma coerente ao longo da exposição. 

F: Por que você decidiu mostrar a ligação entre ciência e criação artística nesta exposição, e enfatizar as fortes conexões entre mineralogia, gemologia e joalheria?

LM: O MNHN possui uma das melhores coleções de mineralogia do mundo e é um privilégio poder exibir as melhores peças de joalheria da nossa Maison juntamente com esse acervo. Foi um desejo natural da Van Cleef compartilhar com os visitantes essas extraordinárias criações da terra e da humanidade. O público verá em exposição duas perspectivas diferentes, mas complementares: uma baseada em pedras, outra baseada em criações de joias. As interconexões de artes e ciências fornecem um terreno fértil para o entendimento comum, que ambas as instituições consideraram importante exibir.

Divulgação/Van Cleef & Arpels
Divulgação/Van Cleef & Arpels

A exposição mistura arte e ciência, ao mostrar todo o processo que uma joia é feita: da natureza até as mãos dos artesões

F: Descreva as três diferentes partes da exposição: “História da Terra”, “Dos Minerais às Joias” e “Paris, Centro do Conhecimento”.

“Gems” abre com uma seção intitulada “História da Terra, Histórias de Savoir-Faire”, que explora a formação original dos minerais e seu uso na sociedade, acompanhando o desenvolvimento de habilidades e artesanato ao longo do tempo. A segunda parte, “Dos Minerais às Joias”, oferece uma visão sobre os fenômenos naturais que ocorrem nas profundezas da terra que agem sobre as pedras, rochas e cristais antes de serem transformados em joias pelas mãos humanas. Sua transformação vem à tona em cerca de 40 vitrines, assim como por meio de tablets, monitores audiovisuais e telas sensíveis ao toque intercaladas ao longo da exposição para apresentar cada tipo de pedra – diamantes, topázios, safiras, águas-marinhas e muito mais – em três formas diferentes: como minerais brutos, gemas lapidadas e peças de alta joalheria, acompanhando assim o caminho de cada joia da natureza à obra de arte.

F: Na seção “Perspectivas Compartilhadas sobre Joias”, quais são alguns dos temas apresentados que definem uma era ou estilo?

LM: As temáticas expostas são reflexos do universo da maison. Os visitantes poderão ver como em nossas criações, desde o início dos anos 1920 até mais recentemente, a natureza tem sido retratada viva, como os designs da alta-costura são capturados em movimento e como a marca inventou todo um vocabulário em torno de mundos imaginários. 

F: Como é o “Rock of Marvels”, o objeto de joalheria exclusivo que a Van Cleef & Arpels criou especificamente para a exposição?

Divulgação/Van Cleef & Arpels
Divulgação/Van Cleef & Arpels

Um dos itens de destaque da exposição, este objeto levou quase dois anos para ficar pronto e conta com nove joias distintas e destacáveis

LM: Composto por pedras brutas e polidas e joias destacáveis, este objeto foi concebido como uma escultura mineral em que cada elemento autônomo convive em harmonia com o conjunto. O estúdio de design da Van Cleef & Arpels, o departamento de pedra e as oficinas da Place Vendôme trabalharam lado a lado para alcançar este resultado. A maison imaginou este objeto como uma paisagem em metamorfose, na qual elementos podem ser removidos da base para ganhar uma nova vida. Inclui nove criações de alta joalheria que podem ser usadas como um anel, presilha, pingente, brincos e pulseira. Demorou quase dois anos para dar vida ao objeto, com todas as suas peças. 

F: Como uma joia da Van Cleef & Arpels passa de mineral bruto a uma joia fina, da natureza a uma obra de arte?

LM: São várias etapas para a criação de uma peça de alta joalheria, cada uma delas seguindo regras de excelência e respeitando os mais elevados padrões de qualidade. Tudo começa com a seleção das melhores pedras, de acordo com os critérios da Van Cleef & Arpels, que não abre mão da qualidade. Então, a criatividade do estúdio da maison se expressa por meio de desenhos e guaches. Depois de finalizados, vem uma etapa específica seguida apenas por algumas poucas marcas de joalheria: o mock-up (um modelo em tamanho real que oferece uma visão 2D e 3D da criação). Os “mains d’or” (mestres artesãos) podem então iniciar o trabalho de joalheria, fixação de gemas, lapidação, polimento e gravação, se necessário. O acervo patrimonial da exposição apresenta uma ampla gama de técnicas de diferentes épocas. A primeira parte representa três estágios em torno do rubi: o mineral bruto, a gema facetada e a criação da joia de luxo (a Fuchsia Clip, 1968, Van Cleef & Arpels Collection). A segunda seção da exposição está centrada no ciclo dos minerais, apresentando o mesmo sistema de apresentação tripartida.

LEIA MAIS: Conheça a trajetória da designer de joias da Tiffany & Co. Elsa Peretti

F: Conte sobre a coleção de herança particular pertencente à Van Cleef & Arpels, como peças vintage adicionais são regularmente adicionadas e como você selecionou quais itens seriam exibidos na “Gems”.

LM: A coleção patrimonial da Van Cleef & Arpels foi originalmente criada por Jacques Arpels na década de 1970. Desde então, tem sido constantemente enriquecida ao longo dos anos. Hoje, a coleção é composta por mais de 1.600 peças, que vão desde alta joalheria até relógios e objetos preciosos. É nosso dever garantir que este acervo seja estudado, apresentado e bem conservado para as gerações futuras. As peças expostas no MNHN foram cuidadosamente selecionadas em constante diálogo com os curadores para refletir as histórias que são contadas. O que é mais surpreendente quando o público visita a mostra é que as criações da natureza e do homem são igualmente marcantes em sua beleza e perfeição. Elas expressam um mundo de poesia.

Divulgação/Van Cleef & Arpels
Divulgação/Van Cleef & Arpels

Junto a peças históricas do acervo da Van Cleef & Arpels, a mostra também usa de tecnologias para construir suas narrativas

F: Como o conhecimento científico e a pesquisa sobre minerais levam a inovações e explorações tecnológicas?

LM: A técnica única da série Mystery Set foi associada à Van Cleef & Arpels desde que a maison a patenteou em 1933. Consiste em cravar pedras de forma que nenhum dente seja visível. O nível de especialização necessário torna a técnica exclusiva de um número muito pequeno de mestres joalheiros. Ela é tão complicada que produzir um único broche leva não menos que 300 horas de trabalho. Cada pedra facetada é delicadamente inserida em uma fina rede de ouro com menos de dois décimos de milímetro de espessura. Depois de concluídas, as gemas parecem ser totalmente independentes. Devido à complexidade do processo, as peças são extremamente raras. No início, a técnica era reservada para peças planas, como a preciosa caixa Minaudière. Mas à medida que ela se desenvolveu, a Van Cleef & Arpels começou a usá-la em formas mais complexas e com vários graus de espessura. Mais recentemente, a maison começou a combinar a Mystery Set com joias lapidadas para algumas peças espetaculares. Esta última inovação leva a técnica a um novo nível: as bordas polidas das pedras criam a impressão de uma renderização cintilante e aveludada destacando o volume da peça. O rubi, graças à sua excepcional dureza e clareza, é a pedra perfeita para a técnica. Safiras também são usadas, ao contrário da esmeralda, uma pedra preciosa frágil. À mostra na exposição, os visitantes poderão ver vários destaques da Mystery Set, como o Peony Clip de 1937, da antiga coleção da princesa Faiza do Egito.

Divulgação/Van Cleef & Arpels
Divulgação/Van Cleef & Arpels

Colar de esmeraldas, platina e diamantes, da antiga coleção da princesa Faiza do Egito

F: Como foi feita a cenografia da exposição e por que a Jouin Manku foi escolhida para o trabalho?

LM: A cenografia de “Gems”, projetada pela agência Jouin Manku, usa cores e materiais mutáveis para mergulhar os visitantes em um universo em movimento. Abraçando as sensações e o fascínio das pedras preciosas, o designer Patrick Jouin e o arquiteto Sanjit Manku projetaram um itinerário estruturado de três fases, um caminho tortuoso que acompanha e ilustra os diferentes estágios da formação mineral e sua subsequente transformação por mãos humanas. Mergulhando nas entranhas da terra e, em seguida, retornando à superfície, esta exploração é baseada no romance pouco conhecido de George Sand,  “Laura: a Journey into the Crystal”, que inspirou Júlio Verne na obra “Viagem ao Centro da Terra”. A narrativa que se desdobra ao longo da exposição combina duas visões do tempo – a cadência vertiginosa do cosmos e do tempo experienciado pelos seres humanos – e dois registros de tamanho: o infinitamente grande e o infinitamente pequeno. Para orientar os visitantes por meio dessas concepções de espaço e tempo, a agência projetou padrões de luz, cor e materiais que aumentam a fluidez e enfatizam a interação entre contraste e transparência. Neste cenário, os tons escuros representam as profundezas da terra. As convulsões da crosta terrestre são representadas por cores quentes, transformando-se em tons mais frios perto da superfície. Uma sucessão de espaços circulares representa essa dinâmica, descrita principalmente na segunda parte da exposição. 

LEIA MAIS: Tiaras raras e valiosas são a nova tendência do mercado de aluguel de moda

F: Quais foram os principais desafios em montar essa exposição?

LM: Criar exposições desta envergadura exige muita organização, boa comunicação e, acima de tudo, uma visão clara do nosso objetivo. O projeto tem sido em todos os aspectos um verdadeiro sucesso de trabalho em equipe, onde diferentes expertises se juntaram para dar origem à exposição. O desenvolvimento de uma mostra implica em colaborações multifacetadas de profissionais que vão desde curadores, pesquisadores, cientistas e historiadores da arte a arquitetos, designers, técnicos, registradores, manipuladores de arte e muitas outras profissões. Cada exposição envolve uma grande quantidade de equipes para concluir o projeto. Mas mais do que um desafio, é uma alegria trabalhar em conjunto e compartilhar uma paixão e visão comuns. 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).