10 melhores experiências de viagem pelo mundo para 2022

Dos safáris africanos à cruzeiros no Polo Norte e trens de luxo pela Europa, estes roteiros prometem matar a saudade de viajar no pós-Covid

Larry Olmsted
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Qual é a viagem dos seus sonhos? Seja ela qual for, 2022 pode ser o ano certo para realizá-la. Ninguém sabe o que pode acontecer mais para frente. (Na foto, Machu Picchu, no Peru)

Acessibilidade


Após 18 meses de forte impacto da Covid-19, a demanda reprimida levou a reservas recordes para muitas operadoras de turismo e empresas de viagens de alto nível para 2022, quando muitos consumidores esperam normalidade, ou pelo menos segurança, ao viajar.

Uma lição que aprendemos com a pandemia é que o futuro é imprevisível e que tudo pode acontecer. Esperamos que esta seja a última grande pandemia, mas certamente não foi a primeira, e quem sabe que outros desastres naturais estão por vir? 

VEJA TAMBÉM: 20 inaugurações de hotéis de luxo mais esperadas para 2022

Os efeitos do coronavírus sobre as viagens não são apenas cancelamentos e adiamentos, mas também, para muita gente, uma nova percepção de que a vida é curta e de que os sonhos não devem ser adiados. Para a maioria das pessoas, existem as férias normais e as férias “um dia”, tipo “um dia vou passar quatro semanas na Austrália e na Nova Zelândia” ou “um dia vou ao Superbowl”. 

Muitos consultores e agentes de viagens especializados com quem conversei me falaram de uma mudança perceptível na postura de seus clientes, que estão mudando as prioridades de suas listas de viagens e trocando “um dia” por “o quanto antes”. Se tudo correr bem (vamos torcer!), 2022 será um ótimo ano para as viagens de sonho. Mas aonde ir ou o que fazer é apenas metade da equação e, para muitos tipos de turismo, sobretudo essas viagens de fantasia mais específicas, você precisa de alguém que as organize e que saiba o que está fazendo. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Qualquer pessoa que queira fazer uma viagem de esqui de luxo em Vail pode reservar uma suíte no Four Seasons de lá, contratar um instrutor particular e pedir ao concierge que faça reservas para os jantares, mas uma viagem de esqui excepcional na melhor neve do mundo – a do Japão – é muito mais complicada, com muito mais variáveis e maior necessidade de conhecimentos – e mais decepcionante se você errar.

Portanto, com base em ampla experiência acumulada ao longo do último quarto de século na minha vida pessoal e no setor de viagens, compilei esta lista de viagens e especialistas para ajudá-lo – sobretudo se você for uma das milhões de pessoas que tiveram de cancelar viagens planejadas e estão loucas para voltar a viajar.

Confira na galeria de fotos a seguir 10 das melhores experiências de viagem para aproveitar em 2022:

  • Reprodução/Forbes

    Safari Africano com a Micato Safaris

    Coloquei de propósito como primeiro item da minha lista e, daqui em diante, não segui uma ordem específica. Isso porque, embora o termo “viagem a fazer antes de morrer” seja muito usado no setor de turismo, muitas vezes de maneira imprecisa, se há um exemplo real de uma viagem desse tipo que quase todos adorariam fazer, é um safári de observação da vida selvagem africana. Obviamente, se você não esquia, joga golfe ou adora arte, mesmo o melhor esqui, golfe ou passeio em museu do mundo não seria para você; mas, tendo feito quase todos os tipos de viagens e participado de safáris na África muitas vezes, em oito países diferentes, é difícil para mim imaginar alguém que não ficaria maravilhado. Você pode fazer viagens incríveis no Quênia, na Tanzânia e em outros lugares, mas, se for apenas uma vez, acho que uma combinação da África do Sul com Botswana é difícil de superar.

    Porém, caso queira fazer a melhor viagem possível em qualquer parte da África, você precisa ir com a melhor agência que puder encontrar. No ramo dos safáris, essa é uma escolha fácil e óbvia. Em poucas palavras, a Micato Safaris é a melhor agência de viagens de qualquer tipo, em qualquer estilo, com quem já viajei, e já viajei com muitos dos nomes mais aclamados do setor. Eu já a vi, repetidas vezes, abrir portas que ninguém mais consegue abrir. Os safáris de alto nível vêm passando por um boom de popularidade, mas as melhores pousadas costumam ter apenas três a doze acomodações e são procuradas por viajantes do mundo inteiro. A Micato sempre teve os melhores relacionamentos e fez a maior parte dos negócios com essas pousadas e, em caso de escassez, se alguém é capaz de conseguir um quarto, é ela. Mas não sou o único que acha isso – recentemente, a Micato foi classificada como a Melhor Agência de Safári do Mundo pela revista Travel + Leisure pela 10ª vez, algo inédito, que nenhuma operadora de turismo de qualquer categoria chegou perto de fazer. Se você está pronto para a viagem da sua vida, é esta.

  • Divulgação

    Turquia, Grécia ou Sardenha de Bicicleta e Cruzeiro com a DuVine

    Matar dois coelhos com uma cajadada só resulta em duas ótimas viagens em uma, mas fica ainda melhor se você puder triplicar. Então, se você curte ciclismo – atividade que registrou um enorme aumento durante a pandemia e que é uma ótima maneira de ver um lugar no ritmo perfeito –, por que não o combinar com uma viagem de barco de luxo e uma visita a um destino emblemático e singular? É exatamente isso que você tem ao fazer uma viagem de bicicleta que usa um pequeno navio como hotel móvel e que passa pelas lindas ilhas da Grécia, pela exótica Turquia ou pela mais singular ilha italiana, a Sardenha.

    A DuVine é uma respeitada operadora de turismo de ciclismo e outros esportes sediada em Boston e conta com uma coleção exclusiva de passeios de bicicleta + vela, os quais oferecem basicamente uma experiência de iate particular: você sai pela manhã para uma pedalada guiada com atrações VIP especiais, volta ao seu ancoradouro particular para um mergulho antes de jantar no convés, depois passeia pelas ilhas e faz tudo de novo no dia seguinte. Por exemplo, na viagem pela Grécia, você navega pelo Mar Egeu de Atenas a Rodes, visitando ilhas menos conhecidas e sem multidões ao longo do caminho, passando por ruínas e atrações importantes, com direito a clássicos da culinária grega, vinhos locais e praticamente tudo incluído, até open bar a bordo. As viagens partem de Bodrum, na Turquia, com uma extensão opcional, antes da viagem, para Istambul, uma das cidades mais fascinantes do mundo. Essa viagem utiliza um gulet, tradicional veleiro de madeira dessa região, com uma tripulação de cinco pessoas. As viagens à Turquia e à Sardenha são igualmente cativantes e dão uma guinada ímpar no paradigma das viagens ativas.

  • Reprodução/Forbes

    Esquiar nas Dolomitas com a Dolomite Mountains

    Maior nem sempre é melhor, mas, quando se trata de esqui, tamanho é documento, e os resorts interconectados do passe Dolomiti Superski abrangem a maior área de esqui do mundo na qual você pode esquiar totalmente em subidas mecânicas e trilhas – cerca de 900! – sem ter de fazer transferência. Esse sistema não só conecta muitas cidades charmosas, como Val Gardena, Alta Badia e Cortina, sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2026, mas também está inteiramente dentro de um Patrimônio Mundial da UNESCO que muitos acreditam ser as montanhas mais bonitas do planeta.

    Há uma grande quantidade de hotéis incríveis em todas as faixas de preço, de intermediários a 5 estrelas, mas, ao contrário da maioria dos destinos de esqui, quase todos eles têm acesso direto às pistas. As opções de esqui incluem pistas da Copa do Mundo, terrenos para todos os níveis e esqui de cidade para cidade e de cabana para cabana, além do que é amplamente considerado um dos melhores dias de esqui, um passeio épico conhecido como Sellaronda, que circunda o maciço de Sella, tudo dentro das pistas e com subidas mecânicas. Por fim, estamos falando da Itália, sempre a escolha dos sonhos dos viajantes norte-americanos, com toda a ótima gastronomia e receptividade que você espera. Aqui, escrevi muito mais detalhadamente sobre os motivos de as Dolomitas serem uma das melhores férias de esqui do mundo.

    Muitos dos melhores agentes de viagens que conheço usam uma empresa local chamada Dolomite Mountains para atender seus clientes, então eu a usei e fiquei bem impressionado. A empresa oferece excursões programadas de “safári de esqui” em grupo e pacotes personalizados totalmente privativos para vários orçamentos. Nos dois casos, você obtém expertise local, guias de montanha altamente treinados e certificados e acesso privilegiado aos melhores hotéis e restaurantes. Você pode escolher desde viagens com base em hotel até esqui de rifugio a rifugio, hospedando-se nas pousadas gourmet de montanha pelas quais a região é conhecida. Mas por que não misturar as duas coisas? Além do mais, o turismo de esqui (também conhecido como turismo alpino) cresceu exponencialmente na pandemia e nos anos anteriores, e as Dolomitas são possivelmente o melhor lugar da Europa para esquiar; assim, a Dolomite Mountains têm programas ótimos para quem quer fazer os passeios por conta própria.

  • Reprodução/Forbes

    Maravilhas naturais da América do Sul com a Explora

    A família chilena que abriu a Explora o fez para mostrar as incríveis paisagens, atividades e gastronomia de seu país e, nas últimas duas décadas, fez um trabalho incrível, aumentando a coleção, que hoje inclui também a Argentina, a Bolívia e o Peru. Em cada um dos casos, o modelo excepcional é o mesmo: construir uma pousada luxuosa, mas extremamente ecológica, oferecer guias locais especializados e usar o sistema all-inclusive, com foco em aventuras ao ar livre, culinária local e vinhos sul-americanos à vontade. Cada estabelecimento da Explora oferece uma grande variedade de excursões guiadas de meio dia e dia inteiro, como caminhadas, passeios de bicicleta, cavalgadas, passeios aquáticos e muito mais, com diversas opções para escolher diariamente. Como o nome indica, a ideia é explorar alguns dos lugares mais bonitos do planeta.

    A pousada mais famosa da Explora fica no Parque Nacional Torres del Paine, no Chile, o destino mais famoso da Patagônia, mas ela também tem uma outra na Patagônia argentina e está prestes a inaugurar (em dezembro) a única pousada de um novo Parque Nacional da Patagônia no Chile. Uma das minhas preferidas é a pousada no Deserto do Atacama, o lugar mais seco do planeta e simplesmente um cenário espetacular, mas minha favorita de todos os tempos é a da Ilha de Páscoa, sem dúvida o lugar mais interessante onde já estive, terra das estátuas moais e de uma famosa e enigmática civilização perdida. Uma das pousadas mais procuradas fica no Vale Sagrado dos Incas, no Peru, repleto de ruínas e atrações, das quais a principal é Machu Picchu. Existem algumas outras pousadas, bem como viagens especiais de acampamento móvel de luxo chamadas Travesias, mas, basicamente, se você pegar as maravilhas mais desejáveis da América do Sul, Patagônia, Atacama, Ilha de Páscoa e Machu Picchu, a Explora tem um estabelecimento em cada uma com os melhores guias que você poderia encontrar.

  • Reprodução/Forbes

    Cruzeiro de Expedição Polar com a Ponant

    Não é possível visitar todos os continentes sem ir à Antártica, o “Continente Branco”, onde você pode observar banquisas e icebergs de formas incríveis, além de pinguins, focas e baleias, enquanto refaz os passos de exploradores lendários com naturalistas e historiadores especializados como seus guias. Outros viajantes sonham em colocar os pés no Polo Norte e, para muitos amantes da vida selvagem, o urso polar é o animal mais difícil de ver. Você pode fazer as duas coisas em uma viagem e, especialmente nesses destinos rústicos que estão literalmente nos confins da terra, é fundamental ir com alguém que saiba o que está fazendo.

    A primeira escolha seria a Ponant, uma venerável empresa francesa especializada em cruzeiros de expedição. A Ponant combina os itens essenciais para essas viagens, como um navio de primeira categoria próprio para o gelo, com serviço 5 estrelas, conforto e a requintada culinária francesa. A Ponant tem onze navios boutique em sua frota, mas um especificamente para os polos – Le Commandant-Charcot, o primeiro navio de exploração polar híbrido-elétrico. Ele economiza nas emissões, não nos recursos, e é classificado como Polar Classe 2, o segundo mais resistente na escala internacional de 7 pontos e definido como capaz de “operação o ano todo em condições moderadas de gelo plurianual”, em contraste com as embarcações sazonais menos resistentes. Conta com dois restaurantes de destaque, spa completo e quartos e suítes que lembram mais um iate de luxo particular do que um navio de cruzeiro – tem até uma piscina coberta.

    Le Commandant-Charcot passa o período de novembro a março na Antártica, enquanto a temporada do Ártico vai de abril a setembro. Um exemplo de itinerário de destaque para 2022 inclui a visita ao Polo Norte Geográfico, à latitude de 90° Norte, coberto por banquisas o ano todo e a 700 quilômetros da terra. Essa viagem oferece caminhadas, passeios intimistas e observação da vida selvagem – ursos polares, raposas do Ártico e renas –, e inclui traslados de ida e volta de Paris ao local de partida, na península de Spitsbergen, na Noruega.

  • Divulgação

    Viagens de trem de luxo com a Belmond

    A empresa anteriormente conhecida como Orient-Express pode ter mudado seu nome para Belmond, mas os famosos trens que ela opera continuam magníficos como sempre, e ninguém no mundo é mais conhecido por oferecer viagens ferroviárias como as da era de ouro. Esses trens são uma volta perfeita às viagens, com cabines privativas, muito espaço e comida e bebida incríveis a bordo, além de passeios turísticos especializados ao longo do caminho. O top de linha da empresa em termos de luxo é o Royal Scotsman, que oferece quartos maiores e mais elegantes e uma variedade de passeios turísticos de vários dias na Escócia.

    O trem mais famoso é o Venice Simplon-Orient-Express (foto), um ícone Art Déco dos anos 1920 meticulosamente restaurado, com todos os 17 vagões ostentando uma história ímpar. Curta e agradável, a viagem clássica é o trajeto de uma noite entre Londres e Veneza via Paris, mas há outros itinerários que cruzam a Europa, com viagens entre cidades lindas e históricas, como Paris, Veneza, Praga, Viena e Budapeste.

    O verdadeiro destaque, oferecido apenas uma vez por ano, é a recriação da viagem original de cinco noites entre Paris e Istambul, com pernoites em Budapeste e Bucareste, além de excursões diurnas em Sinaia e Varna. Este ano, a Belmond adicionou cinco novos pontos de embarque – em Roma, Florença, Genebra, Bruxelas e Amsterdã –, além de três novas Grand Suites, elevando o total para seis. Estas dispõem de banheiro privativo com chuveiro, cama de casal, área de estar com piso aquecido, traslado privativo de ida e volta ao trem, sala de jantar na suíte e comissário de bordo pessoal disponível 24 horas por dia, com direito a champanhe à vontade.

    A Andean Explorer da Belmond oferece uma viagem de trem sul-americana de duas noites pelas montanhas andinas do Peru, de Cusco (ponto de entrada para Machu Picchu) a Arequipa. Na Ásia, o Eastern & Oriental Express tem como foco viagens de três noites entre Bangkok e Singapura ou de duas noites de Bangkok a Kuala Lumpur. Todas essas viagens de trem são facilmente combinadas com férias “comuns” inesquecíveis em uma ou ambas as extremidades e muitas vezes podem ser combinadas com hotéis Belmond de destaque, como o famoso Cipriani, em Veneza, o Cadogan, em Londres, e o Monasterio, em Cusco. Dois outros trens da Belmond, o British Pullman, na Inglaterra, e o Hiram Bingham, no Peru, fazem apenas viagens de um dia.

  • Reprodução/Forbes

    Ciclismo na Toscana, Borgonha ou Provença com a Butterfield & Robinson

    Se você gosta de pedalar, os destinos clássicos e épicos, do tipo “uma vez na vida”, são essas três regiões na Itália e na França, com a Toscana à frente. A Butterfield & Robinson não é apenas o padrão 5 estrelas para passeios ciclísticos guiados: foi ela que inventou essa categoria em 1966 e, há mais de meio século, vêm aprimorando o modelo. Desde guias especializados até experiências VIP ao longo do caminho (visitas às principais vinícolas não abertas ao público, passeios privativos a museus etc.), passando pela cuidadosa verificação prévia de rotas que foram selecionadas para o máximo prazer e mínimo trânsito a fim de garantir que não haja alterações ou obras de última hora, ela têm a logística perfeita. Porém, o mais importante é que, por fazer esses passeios nos destinos mais procurados há mais tempo do que qualquer outra empresa, ela consegue reservar quartos nos melhores hotéis quando ninguém mais consegue. Isso é particularmente importante em lugares como a Toscana, onde ela pode alugar todas as acomodações de um hotel boutique de luxo porque vêm fazendo isso com o mesmo proprietário há décadas. Do minuto em que você chega até o último dia, ela cuida de tudo: a melhor hospedagem, as melhores refeições e a bagagem, que desaparece automaticamente do seu quarto pela manhã e reaparece no seu quarto no próximo hotel quando você chega.

    Já fiz várias viagens com a B&R em diversas partes do mundo, inclusive duas dessas clássicas, Toscana e Borgonha, e ambas estão entre as minhas melhores lembranças. Mas, se você gosta de pedalar e já percorreu esses locais, existem inúmeros outros destaques – o Japão foi excepcional, a região basca da Espanha é maravilhosa, ela oferece a Irlanda, outra viagem procurada, o litoral de Portugal, o Vale do Loire e muito mais.

    Todos esses lugares têm saídas em grupo programadas regularmente, então basta você reservar uma viagem planejada – mas mais da metade das viagens da B&R são privativas. Se quiser gastar esse dinheiro extra, poderá fazer qualquer uma dessas (e algumas em locais que não têm viagens em grupo) quando quiser e apenas com o seu grupo. De qualquer modo, para aqueles que adoram pedalar, essas são as viagens da sua vida, e foi o fundador da empresa, George Butterfield, que cunhou esta expressão muito precisa: “Desacelerar para Ver o Mundo”.

  • Reprodução/Forbes

    Golfe nas Ilhas Britânicas com a Haversham & Baker

    Se você adora golfe, não há lugar mais indispensável do que a Escócia e a Irlanda, e muitos colocariam St. Andrews no topo da lista “um dia”. Tendo ido muitas vezes aos melhores campos, hotéis e restaurantes da Escócia, Irlanda, Inglaterra e País de Gales, em todos os lugares, eu daria uma pequena vantagem à Escócia na qualidade do golfe e à Irlanda na qualidade da viagem em termos gerais, ou seja, os melhores hotéis, comida e clima. Mas você poderia fazer três ou quatro viagens para a Escócia e outras três ou quatro para a Irlanda e argumentar que todas foram as melhores viagens de golfe de todos os tempos; isso dá uma ideia de quantos campos e cidades excelentes existem lá – muitos dos quais são joias ocultas.

    Para os fãs de golfe, essa parte do mundo é insuperável. Há também muitas boas operadoras de turismo que podem atender às suas necessidades nessa região, e eu já viajei com algumas, como a Perry Golf, que faz um excelente trabalho. Não viajei com a Garmany Golf, mas conheço um de seus executivos, e ela tem uma ótima reputação.
    O motivo pelo qual sugiro a Haversham & Baker para essa viagem de sonho em particular é que ela trabalha apenas com as Ilhas Britânicas e a Espanha. Eu conheço o fundador Sam Baker há muito tempo e, desde que abriu a empresa, 30 anos atrás, ele tem uma forte crença de que é melhor se concentrar na sua área de especialidade do que ser pau para toda obra. Ele aponta corretamente que muitas empresas que afirmam ser especialistas na Escócia também trabalham com a Tailândia e Scottsdale e que muitas oferecem itinerários padronizados.

    A Haversham & Baker começa cada planejamento de viagem com uma conversa com o cliente e toma como base o que você deseja, o que o seu orçamento permite e a importância que você atribui à alimentação e à hospedagem. Desde o início, o foco dela é o que Sam chama de “boa vida”, que ele descreve como “a crença de que o tempo que você passa fora do campo durante uma viagem de golfe no exterior é tão importante para a experiência geral quanto o tempo que passa nele”. Muitos viajantes norte-americanos são obcecados e guiados pelas classificações de campos das principais revistas de golfe, mas essas, por sua vez, são altamente subjetivas e colocam muita ênfase em coisas como os torneios que o local recebe em vez da qualidade do campo, e o “shot value” (também conhecido como dificuldade) em vez da diversão.

    Por exemplo, o número um da Golf Digest em nível mundial é o Royal County Down, na Irlanda do Norte, e, do ponto de vista da arquitetura, concordo plenamente, é fabuloso, mas também é extremamente difícil e mais adequado para o handicapper de um dígito (baixo). Os jogadores de golfe medianos terão dificuldade, e pode não ser a melhor opção. Por ter recebido várias vezes o Open Championship (também conhecido como British Open), o campo escocês Royal Troon está na posição 49, mas existem dezenas de campos melhores na Escócia e na Irlanda. Imagine um ranking de alimentos que coloque as trufas como o melhor alimento do mundo. Se você não gosta de trufas, isso não ajuda muito. Se você ainda não conhece o Velho Continente e deseja a melhor viagem possível – para você – peça ajuda a quem conhece.

  • Reprodução/Forbes

    Esqui no Japão com a Scout Ski

    Se você é um esquiador entusiasmado, provavelmente ama a neve e, se ama a neve, não há lugar melhor para visitar do que o Japão. Se você adora comida e cultura, existem poucos lugares melhores no mundo para viajar do que o Japão. É por isso que o Japão é a viagem de esqui definitiva, e ele vinha crescendo muito em popularidade havia anos, antes de a COVID fechar o país. Provavelmente ainda é cedo demais para ir este inverno, mas o próximo inverno parece perfeito, e a temporada de esqui lá começa cerca de um mês antes da nossa (eis aí um exemplo perfeito de por que você não deveria ser autossuficiente no planejamento de grandes viagens). Dezembro, considerado cedo na América do Norte, é excelente, e o melhor período de esqui vai até fevereiro (evite a todo custo as duas semanas em torno do Ano Novo Chinês – outra armadilha do planejamento por conta própria).

    O principal motivo para ir é a neve, em muito mais quantidade do que em qualquer outro lugar – o Japão registrou o maior total de queda de neve do planeta e, em um ano “bom”, os principais resorts recebem (muito) mais do que o dobro do que os melhores resorts de Utah, Wyoming e Colorado em um inverno “ótimo”. Além disso, a maioria dos esquiadores japoneses prefere as pistas alisadas, então é possível encontrar neve intacta diretamente debaixo das subidas mecânicas após o almoço, algo de que não se tem notícia nos Estados Unidos. Você não precisa procurar neve fresca; ela está por toda parte. O mesmo vale para as comidas excepcionais e a experiência singularmente japonesa de se hospedar em um ryokan (pousada tradicional) e ir ao onsen (banho termal natural). Contudo, essas viagens são dificílimas de planejar por conta própria, então a maioria dos norte-americanos opta por ir diretamente ao Niseko, o maior, mais conhecido – e mais ocidentalizado – resort de esqui do país e por reservar um quarto no Hilton ou Ritz-Carlton. No Niseko você ouve mais inglês do que japonês e é mais fácil encontrar tacos do que tonkatsu. A neve é ótima, mas há muita gente e não se vive muito a experiência de estar no Japão.

    Para mim, a melhor rota é uma das áreas menos turísticas, sendo que há muitas para escolher, e ninguém fora do Japão conhece o esqui do país como Sarah Plaskitt, fundadora e proprietária da Scout Ski. Sarah é australiana, passa um ou dois meses por inverno no Japão esquiando, explorando e cultivando relacionamentos, e faz roteiros personalizados e exclusivíssimos em todas as faixas de preço. Sarah planejou para mim uma viagem para Hokkaido, Niseko e resorts próximos e incluiu muitos toques locais para torná-la menos parecida com uma viagem a Whistler, mas foi ainda melhor quando ela me ajudou a visitar Nagano por uma semana.

    O Japão sediou as Olimpíadas de Inverno duas vezes: uma em Hokkaido, a ilha mais setentrional, e outra em Nagano, região a algumas horas de trem de Tóquio, cheia de neve profunda, montanhas de esqui menores (mas ainda grandes) e estâncias termais. É lá que você encontrará os onsens, os ryokans, a culinária quase exclusivamente japonesa e quase nenhuma subida mecânica na neve fácil de encontrar, dentro das pistas. A região também é facílima de combinar com um fim de semana inicial ou final em Tóquio (ou Kyoto), o que é imperdível se você ainda não esteve no Japão. Já fui ao Japão meia dúzia de vezes; Tóquio é uma das cidades mais fascinantes do mundo, o esqui é acima da média, e mal posso esperar para voltar.

  • Reprodução/Forbes

    Itália Definitiva com a IC Bellagio

    Itália! É o destino dos sonhos de muitos turistas, mas existem muuuuitas maneiras diferentes de viajar por lá. Você fantasia ser George Clooney e ir de villa em villa ao redor de Bellagio e do Lago de Como em uma lancha vintage? Tem vontade de explorar as cidades sobre colinas da Toscana, sua origem familiar na Sicília, as regiões vinícolas de nível internacional do Piemonte? Deseja fazer um mergulho profundo na arte de Veneza e Florença ou na gastronomia imbatível da Emilia Romagna? Ambiciona dirigir uma Ferrari / Maserati / Lamborghini alugada pelas estradas de cair o queixo da Costa Amalfitana e da Ligúria? Almeja finalmente conhecer as cidades de pescadores em tons pastel de Cinque Terre e o porto de Portofino que você já viu tantas vezes em gravuras emolduradas em todo o mundo? Quer jogar três moedas na fonte em Roma ou fazer compras no Quadrilatero dellla Moda em Milão, sem dúvida o bairro mais chique do mundo?

    Seja qual for a sua Itália, ela é melhor vivenciada com acesso privilegiado, conhecimento local em profundidade e o tipo de orientação especializada que você dificilmente pode imaginar que esteja disponível, mas está, e quem a disponibiliza é a IC Bellagio. A empresa é a provedora local preferencial da Virtuoso, maior consórcio mundial de agentes e consultores de viagens de luxo; assim, se você for a uma ótima agência de viagens e quiser reservar uma viagem dos sonhos pela Itália, essa agência provavelmente usará a IC Bellagio. Portanto, caso você tenha um agente de viagens, mesmo assim deve usá-la, porque então contará com a orientação de especialistas em dose dupla; caso não tenha, pode ir diretamente a ela. Tendo ido à Itália mais de uma dúzia de vezes, sendo a mais recente duas semanas atrás, sei perfeitamente por que as pessoas a adoram tanto e porque é uma viagem boa demais para estragar.

Reprodução/Forbes

Safari Africano com a Micato Safaris

Coloquei de propósito como primeiro item da minha lista e, daqui em diante, não segui uma ordem específica. Isso porque, embora o termo “viagem a fazer antes de morrer” seja muito usado no setor de turismo, muitas vezes de maneira imprecisa, se há um exemplo real de uma viagem desse tipo que quase todos adorariam fazer, é um safári de observação da vida selvagem africana. Obviamente, se você não esquia, joga golfe ou adora arte, mesmo o melhor esqui, golfe ou passeio em museu do mundo não seria para você; mas, tendo feito quase todos os tipos de viagens e participado de safáris na África muitas vezes, em oito países diferentes, é difícil para mim imaginar alguém que não ficaria maravilhado. Você pode fazer viagens incríveis no Quênia, na Tanzânia e em outros lugares, mas, se for apenas uma vez, acho que uma combinação da África do Sul com Botswana é difícil de superar.

Porém, caso queira fazer a melhor viagem possível em qualquer parte da África, você precisa ir com a melhor agência que puder encontrar. No ramo dos safáris, essa é uma escolha fácil e óbvia. Em poucas palavras, a Micato Safaris é a melhor agência de viagens de qualquer tipo, em qualquer estilo, com quem já viajei, e já viajei com muitos dos nomes mais aclamados do setor. Eu já a vi, repetidas vezes, abrir portas que ninguém mais consegue abrir. Os safáris de alto nível vêm passando por um boom de popularidade, mas as melhores pousadas costumam ter apenas três a doze acomodações e são procuradas por viajantes do mundo inteiro. A Micato sempre teve os melhores relacionamentos e fez a maior parte dos negócios com essas pousadas e, em caso de escassez, se alguém é capaz de conseguir um quarto, é ela. Mas não sou o único que acha isso – recentemente, a Micato foi classificada como a Melhor Agência de Safári do Mundo pela revista Travel + Leisure pela 10ª vez, algo inédito, que nenhuma operadora de turismo de qualquer categoria chegou perto de fazer. Se você está pronto para a viagem da sua vida, é esta.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: