O narcisismo no centro do julgamento de Johnny Depp e Amber Heard

Detalhes horríveis do relacionamento de Depp e Heard não precisavam ser divulgados ao mundo – mas isso é, aparentemente, exatamente o que Depp queria

Dani Di Placido
Compartilhe esta publicação:
Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic/Getty Images
Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic/Getty Images

Atores Johnny Depp e Amber Heard em foto tirada na estreia do filme “A Garota Dinamarquesa” em novembro de 2015

Acessibilidade


O julgamento entre Johnny Depp e Amber Heard continua ladeira a baixo, levando ao ar doses diárias de lavação de roupa suja, trazendo à tona o que há de pior em seu público.

Com transmissão ao vivo em múltiplas plataformas, apresentando uma ampla gama de celebridades como testemunhas, o julgamento é um espetáculo sórdido desde o início, uma paródia cruel de um reality show. Poucos outros eventos são capazes de manter essa quantidade de atenção por um período de tempo tão longo – escândalos de celebridades geralmente desaparecem tão rápido quanto chegam em nossos feeds.

Leia mais: Tiara de casamento da princesa Diana será exposta pela 1ª vez em 50 anos

Mas a natureza “serializada” do caso, com o constante gotejamento de novas informações, transformou este julgamento em uma mina de ouro de conteúdo, lançando pequenos criadores na estratosfera – especialistas jurídicos, especialistas de sofá e comerciantes de fofocas estão todos armados com picaretas, cavando como se não houvesse amanhã.

Em meio à histeria nas redes sociais, é fácil esquecer do que se trata o julgamento – difamação, sobre um editorial que Heard escreveu em 2018 para o “The Washington Post”, no qual ela se autodenomina uma vítima de abuso, sem citar Depp. Mas os advogados de Depp argumentam que a implicação era óbvia, que Heard sabotou a reputação de Depp que, posteriormente, perdeu vários papéis de alto nível, como a franquia “Piratas do Caribe”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O júri em breve decidirá se Depp foi injustiçado, mas no tribunal da opinião pública, ele já conseguiu uma vitória distorcida.

Johnny Depp, um superstar que interpretou vários personagens icônicos em blockbusters familiares, aproveita a vantagem de uma base de fãs dedicada que cultivou por décadas: o homem está integrado nas memórias de infância de muitos, como Robin Williams e Mark Hamill.

Ninguém quer ver seus heróis caírem, e as acusações de Heard contra Depp provocaram uma reação defensiva que desde então se transformou em uma caça às bruxas alegremente misógina. À medida que este julgamento prosseguiu, os fãs de Depp normalizaram um nível de ódio e zombaria dela que ecoa a maneira repulsiva pela qual a mídia e o público intimidaram Britney Spears.

Um exemplo particularmente notório surgiu no TikTok, onde o áudio de Heard descrevendo a extensão do abuso de Depp foi amplamente usado como meme, antes de ser removido pela plataforma.

Amber Heard é consideravelmente mais jovem, uma atriz menos prolífica e menos influente do que Depp – ela não construiu uma personalidade pública adorável, nenhum alter-ego pirata pateta para suavizar os golpes das acusações de abuso. O início do julgamento apresentou algumas evidências bastante contundentes contra ela, como uma gravação de áudio de Heard admitindo ter batido em Depp, minimizando sua lesão e fazendo gaslighting contra ele.

Mas os dois se gravaram bastante, em seus momentos mais baixos, pintando um quadro mais complicado. Conversas íntimas e intoxicadas, mensagens de texto revoltantemente misóginas, explosões de raiva e violência, lâminas, garrafas quebradas ou intactas, quartos de hotel destruídos, testemunhas e evidências: a história de instabilidade de Depp está se tornando mais clara.

Os fãs de Depp, sentindo a virada da maré, estão indo para teorias da conspiração, ficando cada vez mais distantes da realidade em sua tentativa de provar a inocência dele. O segmento mais dedicado de seu vasto e formidável fandom é muito “pró-Johnny”, mas seria melhor descrito como “anti-Amber”.

O fandom de Depp tem estado ocupado lançando propaganda ridiculamente unilateral, criando uma mitologia imaginativa em torno de Heard que a enquadra como uma caricatura selvagem da “garota louca” – há todo um universo alternativo lá fora, onde Heard recita falas de filmes como evidência, cheira cocaína no banco dos réus, usa próteses para criar ferimentos falsos e até assassinou a própria mãe em 2020 para impedi-la de testemunhar no julgamento.

Em um nível cultural, isso deixou de ser sobre Heard e Depp – os dois atores transcenderam em símbolos, sua relação tóxica tecida no moinho de conteúdo, emergindo como narrativas sedosas e fáceis de digerir.

Como a maioria do discurso online, #MeToo luta com nuances – a maioria das histórias de Hollywood apresenta vilões tão unidimensionais quanto seus colegas de tela grande, personalidades terrivelmente predatórias abusando de seu poder, deixando dezenas de vítimas em seu rastro (e até então, houve uma reação reacionária contra as mulheres que ousaram falar).

Não houve casos de grande repercussão que suscitassem um discurso saudável sobre abusos contra homens, que muitas vezes sofrem em silêncio. Sem uma saída, homens abusados ​​e mulheres solidárias se uniram a Depp, enquanto misóginos agindo de má fé também responderam ao chamado às armas, aproveitando a oportunidade para prejudicar permanentemente o movimento #MeToo.

Especialistas confirmam que o dano já foi feito, já que mulheres abusadas estão assistindo ao bullying coletivo de Amber Heard e optando por ficar em silêncio, em vez de suportar uma campanha de ódio semelhante na internet.

Cliff Owen/Consolidated News Pictures/Getty Images

Johnny Depp acena para a multidão ao deixar o tribunal

O caso de Depp pode abrir um precedente para os agressores processarem suas vítimas – já começou com Marilyn Manson, amiga íntima de Depp, que foi acusado de estupro por várias mulheres e agora está processando uma de suas acusadoras, Evan Rachel Wood, por difamação. Os fãs de Depp desde então se uniram em apoio a Manson.

Curiosidade – Manson é padrinho da filha de Depp, Lily-Rose, que recentemente sofreu um ataque dos fãs de Depp, que a acusaram furiosamente de não apoiar publicamente seu pai.

Após semanas de lama, ambas as celebridades estão permanentemente manchadas. Depp perdeu “Piratas do Caribe” e “Animais Fantásticos”, enquanto o futuro de Heard em “Aquaman” parece sombrio. Quando este julgamento for concluído, a escolha de qualquer um dos dois atores será vista como uma declaração inerentemente política, que certamente provocará controvérsia.

Este julgamento simplesmente não oferece um bom espaço para discutir as nuances do abuso doméstico ou violência de gênero – é uma narrativa confusa e desconexa que não oferece lições de vida. Mas isso não muda o fato de que os eventos dele vão repercutir em nossa cultura e afetar negativamente a forma como o público percebe as alegações de abuso contra homens poderosos e populares.

Os detalhes horríveis do relacionamento tóxico de Depp e Heard não precisavam ser divulgados ao mundo – mas isso é, aparentemente, exatamente o que Depp queria.

Afinal, Depp continua arrastando Heard para o tribunal, buscando uma plataforma tão pública quanto possível. Este julgamento segue sua tentativa frustrada de processá-la por difamação no Reino Unido, onde um juiz decidiu que era correto descrever Depp como um “espancador de esposa”, descobrindo que 12 dos 14 supostos incidentes de violência doméstica contra Heard ocorreram.

Neste julgamento, quando Depp depôs para testemunhar, ele admitiu que a razão pela qual levou o caso ao tribunal foi: “Foi a única vez que consegui revidar e usar minha própria voz”.

Mas por que nós, o público, deveríamos dar a mínima para a reputação de Depp? O homem sabotou sua própria carreira muito antes de conhecer Amber Heard – seus muitos excessos e mau comportamento no set foram bem documentados no The Hollywood Reporter.

Houve muitas piadas doentias feitas durante este julgamento, mas a piada mais doentia de todas pode ser o fato de que toda essa provação foi aparentemente desencadeada pela Disney demitindo Depp do papel do Capitão Jack Sparrow. De acordo com Depp, ele nunca conseguiu dar a seu personagem um “adeus adequado”.

Não importa o fato de que Johnny Depp interpretou esse personagem nada menos que 5 vezes, cada performance mais forçada do que a anterior, a ponto de Depp ter contratado um engenheiro de som para fornecer suas falas através de um fone de ouvido, para que ele não tivesse que se preocupar em memorizá-las, enquanto recebia milhões de dólares.

Eu não sei qual dessas duas celebridades narcisistas foi um parceiro pior – mas eu sei quem queria tornar esses detalhes sórdidos públicos.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: