5 dicas para uma road trip pelos vinhedos da Toscana

Com o verão europeu, é hora de pegar as estradas rústicas italianas e conhecer suas lindas paisagens

Cathy Huyghe
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Dirigir de carro pelos morros e cidades medievais da Toscana é um dos melhores programas para os amantes de vinho no verão

Acessibilidade


O verão começou oficialmente nesta semana no Hemisfério Norte, trazendo junto a ele a sensação de dias longos, clima quente, férias…e road trips.

Para o público de entusiastas do vinho, é um momento apropriado para uma série sobre dirigir na região vinícola. É mais interessante e complexo do que parece, principalmente quando se considera uma perspectiva multinacional: dirigir em Sonoma, (EUA) por exemplo, é uma experiência muito diferente de dirigir na Borgonha (França), que também é completamente outra coisa no Vale do Douro, em Portugal, ou no Vale McLaren, no sul da Austrália.

Leia mais: Roteiro de luxo leva turistas a atrações da Toscana em carros de alto padrão

Nas últimas semanas tive a oportunidade de visitar novamente a região vinícola, atrás do volante de um carro alugado enquanto viajava sozinha internacionalmente. A inspiração para esta matéria surgiu enquanto dirigia na Toscana, de Florença a Montalcino, de Arezzo a Greve e vice-versa, quando me deparei com uma característica fundamental da região vinícola que é surpreendentemente fácil de esquecer: o vinho é um produto agrícola, o que significa terras agrícolas, paisagens rurais, pequenas estradas rurais e poucas rodovias.

Na Toscana, isso também pode significar angustiantes curvas apertadas, cidades antigas nas colinas e ruas de paralelepípedos cuja margem de erro para um motorista é tão estreita  quanto um salto agulha.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Felizmente, é provável que haja vinho disponível no seu destino final. Confira a seguir cinco dicas para dirigir de carro na região do vinho da Toscana:

A Primeira Coisa: Prazer e Privilégio

É um prazer e um privilégio conhecer diferentes partes do mundo desta forma – e o universo do vinho em particular. Muitas vezes fiz uma curva ou cheguei ao topo de uma colina e a vista diante de mim era indescritível, surpreendente e bonita de doer. Quão profundamente privilegiado é passar algum tempo em tais lugares como parte de trabalho e vida. Ponto final.

Getty Images
Getty Images

A linda paisagem da Toscana

Logística: Direção Manual

Todos os carros que aluguei na Europa eram de direção manual; felizmente, o carro que dirijo em casa (um Mini Cooper) também é um câmbio manual, então é um hábito confortável e familiar. Isso é útil de três maneiras. Primeiro, na Europa, os carros com câmbio manual superam os automáticos. Em segundo lugar, são mais eficientes em termos de combustível, o que importa ao encher o tanque nos caros postos da Europa.

Leia mais: Os 15 vinhedos mais lindos do mundo, segundo o Instagram

Terceiro e mais importante, os carros de transmissão manual são mais divertidos, experienciais e, na minha opinião, proporcionam ao motorista uma experiência mais íntima da máquina para a estrada. Não há nada como o vroom visceral de uma máquina bem feita aplicada a estradas italianas estreitas, íngremes, curvas e desafiadoras.

Rir, especialmente de si mesmo

Há episódios cômicos, quase de tirar o fôlego, de alugar um carro em um país cuja língua você não fala com facilidade.

Por exemplo, procurar ajuda do funcionário de aluguel de carros para ajustar a interface do painel do idioma do motorista anterior (alemão, no meu caso, no aeroporto de Florença). Parece simples, mas foram necessários três agentes nativos de língua italiana para descobrir.

Ou devolver o mesmo carro alugado para um aeroporto cuja sinalização era tão obscura e ofuscada que levei quatro voltas para finalmente chegar até o estacionamento da locadora. Foi ridículo, de fato, e uma comédia do absurdo – não que eu me importasse.

Getty Images
Getty Images

Durante a viagem, você pode parar o carro para apreciar os vários vinhedos da Toscana

Logística, Parte Dois: As próprias estradas

Vale a pena lembrar que as cidades na Toscana, principalmente as no topo das colinas, são históricas com centenas de anos de habitação. Os carros, muito menos as rodovias, não determinaram ou orientaram seu desenvolvimento. As pessoas, e às vezes cavalos ou vacas ou ovelhas, determinaram o crescimento orgânico das cidades e a passagem de pedestres de uma cidade para outra.

Hoje, isso se traduz em estradas estreitas com, em alguns casos, meros centímetros de sobra entre seu próprio carro e o gigantesco ônibus de turismo descendo a colina em sua direção em velocidade máxima.

Uma segunda consequência do desenvolvimento orgânico das cidades toscanas (e outras europeias) é o estacionamento – que frequentemente significa fazer balizas. Além disso, como as cidades se desenvolveram em seu próprio ritmo ao longo do tempo, o sistema de nomeação das ruas é quase inexistente: em outras palavras, a rua 14 não vem logicamente depois da 13, em parte porque nem há uma rua 13.

Leia mais: Viareggio, o fabuloso destino de praia na Toscana que poucos conhecem

Já virar uma esquina é um processo suave, não angular; na verdade, há apenas um ângulo de 90 graus em uma estrada à vista.

Logística, Parte Três: Direções

Considere-se avisado: o sinal de celular na zona rural da Toscana não é bom, principalmente quando se trabalha com um cartão SIM e um plano de dados. O que torna a navegação para um novo destino interessante, seja usando GPS, Waze ou Google Maps. Uma viagem “simples” quando mapeada de dentro de um quarto de hotel se transforma, na prática, em uma jornada labiríntica após uma ou duas voltas perdidas. Não que eu me importasse.

Resumindo? Reserve bastante tempo para ir do ponto A ao B.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: