Ferrari anuncia que elétricos serão 40% de suas vendas até 2030

Marca ainda investirá em motores a combustão, que diminuirão seu protagonismo na gama de produtos da montadora italiana; SUV híbrido Purosangue chega em 2025.

Michael Taylor
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

296 GTB é um dos híbridos da Ferrari atualmente

Acessibilidade


A Ferrari construirá seu primeiro esportivo elétrico até 2025, revelou ontem (16) em sua conferência anual de investidores.

A fabricante italiana de supercarros também admitiu que 80% de sua produção será eletrificada até 2030, sendo 40% de elétricos puros.

Ações da Ferrari N.V. caíram 0,7%, apesar das notícias de que planeja ser neutra em carbono até 2030.

Leia mais: GM e CAOA Chery revelam planos de eletrificação para o Brasil

O plano estratégico até 2026, divulgado ontem em Maranello, revelou que um dilúvio de modelos está a caminho, com 15 novos veículos planejados para os próximos quatro anos, começando com o SUV híbrido Purosangue, em setembro deste ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um novo supercarro em substituição à LaFerrari também foi confirmado, de acordo com o CEO Benedetto Vigna “em breve”.

Será o mais recente de uma longa linha,  que começou com o 288 GTO e passou por F40, F50, Enzo e LaFerrari.

“A Ferrari elétrica será uma Ferrari de verdade”, insistiu Vigna. O CEO também confirmou que a Ferrari EV será projetada, produzida e montada em Maranello no novo E-Building da empresa.

O E-Building abrigará a fabricação do motor elétrico, do inversor e do módulo de bateria, além de uma linha de montagem. Também abriga sua própria oficina de pintura.

A Ferrari também confirmou que três em cada cinco carros que fabrica serão híbridos ou totalmente elétricos até 2026, daqui a apenas quatro anos.

Hoje, essa mistura é 80% de pura potência de combustão, com apenas 20% dividido entre os híbridos SF90 Stradale e 296 GTB. Mas isso deve aumentar com a Ferrari planejando se tornar neutra em carbono até 2030.

A Ferrari também contrariou as tendências modernas, confirmando que continua a desenvolver motores de combustão, mesmo entregando híbridos e EVs.

“Acredito que o motor de combustão interna tem muito a oferecer”, disse Vigna aos investidores.

“Por um lado, temos que lidar com os regulamentos de emissões, mas o mais importante é que vemos a eletrificação como uma forma, como uma tecnologia, que pode melhorar o desempenho do que fazemos”, avaliou.

Confirmou, também, que os híbridos seriam os modelos de maior volume até 2026, com 55% de todas as vendas. Isso será seguido por carros movidos a combustão pura (40%) e EVs (5%).

Em 2030, porém, essa divisão mudará para 40% de EVs e 40% de híbridos, com apenas 20% das Ferraris funcionando com motores somente a combustão.

A Ferrari tem apenas carros híbridos plug-in hoje: o SF90 Stradale, que casa um V8 twin-turbo com três motores elétricos; e o 296 GTB, que tem seu V6 twin-turbo e um motor elétrico que aciona o eixo traseiro.

Vigna insistiu que o primeiro EV Ferrari seria único em um mundo florescente de EVs de desempenho e alavancaria a história e o know-how da Ferrari para fornecer densidade de potência, peso, som e emoções de condução que nenhum outro fabricante poderia replicar.

Suas baterias serão montadas à mão em Maranello, e os módulos serão integrados ao chassi de seus carros de forma a reduzir o peso e aumentar o desempenho, então esqueça as arquiteturas antigas da Ferrari.

Enquanto a Ferrari está confusa sobre quantos modelos Purosangue venderá, Vigna insistiu que sempre construiria pelo menos um carro a menos do que a demanda.

A empresa também deixou claro que não tem intenção de desenvolver modelos autônomos.

“Não somos uma empresa de mobilidade e quando a mobilidade for cada vez mais compartilhada, ter uma Ferrari será ainda mais único”, disse Vigna, acrescentando que a empresa “não tem interesse” na tecnologia de direção autônoma de nível 4 ou 5.

A empresa continua a crescer, insistiu Vigna, por isso aumentou seu pagamento de dividendos de 30% para 35% do lucro líquido ajustado este ano, enquanto planeja recomprar € 2 bilhões em ações até o final do plano estratégico.

O lado financeiro da Ferrari continua muito saudável, com Vigna insistindo que seus ganhos aumentariam € 1,5 bilhão no ano passado para entre € 2,5 bilhões e € 2,7 bilhões este ano.

Sua meta de margem de lucro também está aumentando, de 35% no ano passado para até 40% este ano.

Compartilhe esta publicação: