Woody Allen diz que pode parar de fazer filmes

Em entrevista no Instagram com Alec Baldwin. cineasta disse que pensa em escrever peças e que fará um filme em Paris este ano

Marisa Dellatto
Compartilhe esta publicação:
Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Woody Allen disse que pode recorrer à Broadway e começar a escrever peças

Acessibilidade


Woody Allen – que foi acusado por sua filha adotiva Dylan de agredi-la sexualmente quando ela era criança, o que ele nega – disse hoje que planeja fazer pelo menos mais um filme, embora vários atores da lista A tenham dito que se arrependem de trabalhar com ele, em uma entrevista no Instagram com Alec Baldwin.

Allen, de 86 anos, disse que fará pelo menos mais um filme que começará a ser produzido no outono em Paris. Como resultado das alegações contra Allen, várias celebridades disseram que se arrependeram de ter trabalhado com o diretor de “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”, incluindo Kate Winslet, Rachel Brosnahan, Elliot Page, Chloe Sevigny, Greta Gerwig e Colin Firth, com alguns dizendo que não trabalharão com ele novamente.

Leia mais: “The Flash”: 3 maneiras para a Warner lidar com o problema Ezra Miller 

Em 2019, as estrelas de “Um Dia de Chuva em Nova York” Timothée Chalamet, Rebecca Hall e Griffin Newman doaram seus salários do filme para instituições de caridade anti-abuso sexual.

Allen disse que pode recorrer à Broadway e começar a escrever peças, já que “muito da emoção se foi” com a produção de filmes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Woody Allen discutiu seu novo livro de ensaios “Zero Gravity” – seu último livro, a autobiografia “Apropos of Nothing”, provocou um protesto dos funcionários do Hachette Book Group, levando ao seu cancelamento, embora tenha sido publicado em 2020 pela Skyhorse Publishing.

Baldwin apareceu em vários filmes de Allen: “Alice” (1990), que também teve Mia Farrow, “Para Roma com Amor” (2012) e “Blue Jasmine” (2013). Baldwin é um dos poucos defensores de Allen em Hollywood. Ao anunciar a entrevista, ele escreveu que “não se importava com a especulação de outra pessoa” e “se você acredita que um julgamento deve ser realizado por meio de um documentário da HBO, o problema é seu”, referindo-se ao

Contexto

Woody Allen e Mia Farrow começaram a namorar em 1979. Em 1985 a atriz adotou Dylan, que alegou que, em 1992, quando ela tinha 7 anos de idade, Allen a levou para um espaço sob o teto da casa da família em Connecticut e a agrediu. Depois que uma babá descobriu Allen em uma posição suspeita com Dylan, a menina contou à mãe sobre o que aconteceu. Allen foi alvo de uma investigação da Polícia Estadual de Connecticut e, em 1994, um procurador do estado disse que, embora houvesse “causa provável” para processar o diretor, ele se recusou a fazê-lo para evitar que Dylan tivesse que passar por um julgamento. Allen diz que as alegações são falsas.

Grande parte da batalha pela custódia do casal sobre os filhos Dylan, Moses e Ronan Farrow – que agora é um proeminente jornalista investigativo – se concentrou nas alegações de abuso. Foi questionado se Mia treinou Dylan para fazer as acusações contra Allen. Em 1992, Mia Farrow descobriu fotos nuas de sua filha adotiva de 21 anos, Soon-Yi Previn, e Allen mais tarde anunciou que os dois estavam em um relacionamento. Previn e Allen se casaram em 1997. Em 2013 e 2014, Dylan Farrow contou sua história à “Vanity Fair” e ao “New York Times” e contina falando sobre isso. Em meio ao movimento #MeToo – que o trabalho investigativo de Ronan Farrow ajudou a estimular – Allen sofreu grandes consequências das alegações de abuso.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: