Costanza Pascolato, a sacerdotisa do chic

“Sucesso para mim é continuar saudável podendo participar de coisas novas o tempo todo”, diz a empresária

Donata Meirelles
Compartilhe esta publicação:
Foto: João Bertholini
Foto: João Bertholini

Costanza Pascolato lançou a Anima Eyewear em parceria com a Go Eyewear

Acessibilidade


Costanza Pascolato é um ícone da moda, mas ao contrário do que se entende por ícones – representações estáticas de figuras sagradas -, ela não fica parada. Aos 82 anos, sua nova empreitada é uma marca de óculos de luxo, a Anima Eyewear, lançada em maio passado em parceria com a gigante Go Eyewear. Os modelos se inspiram no seu próprio estilo – ela que tem óculos escuros como sua marca registrada-, ou seja, são peças atemporais e elegantes.

Outra novidade é a participação de Costanza em um livro infantil. Ela assina um dos capítulos “O Educado Eduardo” (Edipro), de sua amiga Maíra Lot Micales, que será lançado em breve. Costanza escreveu sobre a gentileza, assunto no qual é expert, unindo experiências de vida e pesquisas feitas em livros sobre psicologia infantil atual. Naquele estilo inconfundível – de quem se comunica com todos com gentileza e charmosa descontração – ela dá seu recado em subtítulos como “O bê-a-bá do respeito”, “A importância de agradecer“, “Pequenas grandes empatias” e “Tratamento igual para todos”. Valores que fazem parte de sua personalidade, porém, segundo ela, andam em falta entre muita gente grande.

Leia mais: Anna Carolina Bassi, empresária e estilista: “O desafio é crescer sem perder a essência”

Costanza trabalha na indústria fashion desde 1971. É autora de cinco livros, passou pelas revistas Claudia, Claudia Moda e Vogue – onde mantém uma coluna até hoje – e pela Folha de S. Paulo. Tem uma parceria de mais de três décadas com a HStern e presta consultoria para a gigante do e-commerce brasileiro Shop2gether através de sua própria empresa.

Sempre apontada como um símbolo de elegância, ela avisa que o termo não é sinônimo de inacessibilidade. “Quero que as pessoas saibam que eu sou anticonvencional”, informa, enquanto gesticula exibindo seus anéis de caveira – presente dos netos, que a chamam de “vovó rock’n’roll”. “É interessante viver com uma curiosidade infinita, mas sobretudo achar graça nas coisas. Levar tudo a ferro e fogo como as
pessoas fazem hoje é meio deprimente”, diz com charmosa nonchalance.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ao ouvir que tem uma mente jovem, ela justifica: “O mundo está em constante movimento, sempre esteve”. Não por acaso, Costanza fez parte de importantes mudanças no mercado da moda brasileira.

Quando ingressou na Editora Abril, nos anos 1970 – onde imprimiu sua marca como editora de moda – acompanhou o momento em que o Brasil começava a ter uma indústria do vestuário relevante. Já nos anos 1990, fez parte da expansão e crescimento internacional da joalheria HStern. “As mulheres estavam começando a ganhar dinheiro por conta própria. Então desenhei peças diretamente para as mulheres, e não para os homens darem para as mulheres. Foi uma revolução”.

Em 1987, foi chamada para trabalhar na empresa da família, a tecelagem Santaconstancia, fundada por seus pais na década de 1940. Por quase 30 anos atuou como consultora e diretora criativa. Em 2013, firmou a parceria com a e-tailer Shop2gether, consolidando seu trabalho no mundo digital. Sem contar as inúmeras collabs que desenvolveu e livros que escreveu nesse meio tempo.

A carreira, claro, não foi livre de obstáculos. A começar pelo início quando, deserdada pelo pai, bateu na porta da icônica Editora Abril. A seu favor contou uma sólida formação cultural – é fluente em cinco idiomas – um senso estético apuradíssimo e muita vontade de trabalhar. Ela lembra que eram tempos ainda longe da profissionalização do mercado: “Eu fazia a produção, mas chegava no estúdio no dia seguinte e as roupas não estavam lá. Mas fui indo, e trabalhava dez vezes mais do que os outros”.

Hoje, Costanza resume tudo em não se deixar acomodar. “Sucesso para mim é continuar saudável e participando de coisas novas o tempo todo”. O estilo de liderança atual, por exemplo, é um motivo de reflexão e interesse. “O novo chefe tem que ter um olhar muito mais conciliador e esperto no sentido de ouvir, tirar conclusões e mandar na direção certa”, considera.

Ela mesma seguiu essa rota, ouvindo os colaboradores e dando espaço para diferentes opiniões e visões de mundo – mesmo quando isso não era bem o modus operandi. Atitude digna de uma mulher de sucesso e anticonvencional.

Com Mario Mendes, Antonia Petta e Sofia Mendes

Donata Meirelles é consultora de estilo e atua há 30 anos no mundo da moda e do lifestyle.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Artigo publicado na edição 97, de maio de 2022.

Compartilhe esta publicação: