“Top Gun” é o maior filme de ação desde “O Cavaleiro das Trevas”

Filme estrelado por Tom Cruise vendeu mais ingressos do que qualquer outro longa de ação de Hollywood desde filme com o Coringa de 2008

Scott Mendelson
Compartilhe esta publicação:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Tom Cruise em cena de “Top Gun” Maverick

Acessibilidade


Com US$ 578 milhões em bilheteria nos EUA, “Top Gun: Maverick” da Paramount e da Skydance ultrapassou o total doméstico ajustado pela inflação do “Batman” de Tim Burton (US$ 251 milhões em 1989/US$ 576 milhões ajustados) e “Banzé no Oeste” de Mel Brooks (US$ 120 milhões em 1974/ $ 578 milhões ajustados) para se tornar a 57º maior bilheteria de todos os tempos em termos de ingressos vendidos na América do Norte. Entre os filmes de ação e aventura não fantásticos (sem superpoderes, sem magos ou dinossauros, sem robôs de luta, etc.), ele fica em algum lugar entre (dependendo de como você define um filme de ação) nono e sexto. Em termos de dramas de ação do mundo real, vendeu mais ingressos do que qualquer outra oferta de Hollywood desde “O Cavaleiro das Trevas”. Isso é amargamente irônico, considerando que o épico Batman / Coringa de Chris Nolan aclamado pela crítica e moldado pelo zeitgeist (um drama de grande escala principalmente sobre política da cidade) estava entre os primeiros filmes de super-heróis de quadrinhos a se aproximarem dos gêneros de ação estabelecidos.

Leia mais: Com Top Gun, Tom Cruise atinge US$ 1 bilhão em ganhos na carreira

Onde “Top Gun: Maverick” está entre os filmes de ação de maior bilheteria

“Top Gun: Maverick” está atualmente atrás (definição solta de um “filme de ação” não fantástico) de “A Volta ao Mundo em 80 Dias” (US$ 42 milhões em 1956/US$ 591 milhões) ajustado), “007 Contra Goldfinger” (US$ 51 milhões em 1964/US$ 606 milhões ajustados), “Um Tira da Pesada” (US$ 234 milhões em 1984/US$ 616 milhões ajustados), “Butch Cassidy” (US$ 102 milhões em 1969/US$ 646 milhões ajustados), “O Cavaleiro das Trevas” (um drama de ação com zero superpoderes que arrecadou US$ 534 milhões em 2008 para um cume ajustado de US$ 681 milhões), “007 Contra a Chantagem Atômica” (US$ 65 milhões em 1965 / US$ 684 milhões ajustados), “Ben-Hur” (um drama religioso que termina antes de Jesus ressuscitar e chega ao clímax com uma das sequências de ação mais incríveis da história do cinema que arrecadou US$ 74 milhões em 1959 por US$ 897 milhões ajustados), “Tubarão” (US$ 260 milhões em 1975/US$ 1,172 bilhão ajustado) e “Titanic” (US$ 659 milhões em 1997 e 2012/US$ 1,2 bilhão ajustado). A definição de “filme de ação” pode variar.

A segunda parte de “Tubarão”, de Steven Spielberg, tem sua parcela de sequências de ação com “três homens assustados lutando contra um tubarão em um barco no meio do mar”. “Um Tira da Pesada” começa com uma perseguição frenética de veículos e termina com Eddie Murphy e seus amigos policiais invadindo a mansão do bandido e simplesmente massacrando-os. “Volta ao Mundo em 80 Dias” pode ser forçado, mas “Top Gun: Maverick” terá passado do valor bruto ajustado do filme na noite de domingo. Caramba, ele vai superar “Um Tira da Pesada” na próxima semana e poderá superar a comédia de ação de Robert Redford e Paul Newman até o final de julho, a menos que inexplicavelmente caia morto. É mais provável que continue avançando e ultrapasse US$ 600 milhões até domingo ou segunda-feira (11).

“O Cavaleiro das Trevas” foi um dos primeiros filmes de super-heróis de quadrinhos a tentar a apropriação de gênero

Em seguida, o filme de Tom Cruise passará “O Último Jedi” (US$ 620 milhões) e “Os Vingadores” (US$ 623 milhões) para se tornar a nona maior bilheteria doméstica não ajustada de todos os tempos. E se você pensa em filmes de ação, fantásticos ou não, como “o herói” lutando contra “os vilões” com lutas, tiroteios, batalhas de veículos e carnificina relacionada? Bem, então “Top Gun: Maverick” é a maior oferta não fantástica (desculpe, mas T’Challa tem superpoderes) desde a sequência do Batman x Coringa explicitamente no mundo real de Chris Nolan, 14 anos atrás. Esse filme foi inovador não apenas porque era um thriller de ação fantástico e um melodrama moral penetrante. Foi um dos primeiros exemplos de cinema de super-heróis aproximando o cinema de gênero. Ele ainda se destaca como um dos poucos a se comprometer totalmente com o tipo (é um filme de gênero primeiro e um filme de super-herói depois) até o epílogo “dois heróis cheios de culpa sobre escombros implorando a um vilão por misericórdia”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Kevin Feige fez questão de vender os filmes pós-Vingadores do MCU como colocando super-heróis em meio a diferentes gêneros. Ele vendeu “Capitão América: O Soldado Invernal” como um thriller de conspiração, “Homem-Formiga” como um filme de assalto e “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” como uma comédia adolescente. Foi um movimento astuto e não totalmente impreciso. Isso ajudou a diversificar um número cada vez maior de filmes de quadrinhos do MCU e da DC Films e ajudou esses filmes a se destacarem da competição de sustentação. Por que ver “A Múmia” ou “Solo”, que foram adaptados para ser uma história convencional de origem de super-heróis, quando você pode assistir ao artigo genuíno, que também arranhou uma coceira de gênero específica? Isso logo se tornou “Por que assistir a um faroeste quando você pode assistir “Logan”?” ou “Por que assistir “Rei Arthur e a Lenda da Espada” quando você pode assistir “Aquaman”?”

Leia mais: Novo “Top Gun” é o maior filme de Tom Cruise

“Top Gun 2” é o primeiro filme de ação do mundo real a competir com filmes do MCU/DC desde “Velozes e Furiosos 7”.

“Top Gun: Maverick”, de Tom Cruise, é um exemplo muito raro de espectadores aparecendo em massa para o artigo genuíno. Não está totalmente sozinho. “007 – Operação Skyfall” arrecadou US$ 304 milhões no mercado doméstico em 2012. A saga Velozes ficou ainda mais popular desde que a quinta parte a série no verão de 2011 para o território de espetáculos de ação de nível A, culminando no número 7, que arrecadou US$ 353 milhões no início de 2015. Poucos meses depois, “Sniper Americano” ganhou US$ 350 milhões no mercado interno. No entanto, Skyfall foi há uma década, e os espectadores abandonaram principalmente os filmes de gênero mais puros para a variedade de super-heróis da Marvel / DC nos últimos anos. E, sim, eu culpo o público tanto quanto os estúdios uma vez que as opções (em termos de todos os gêneros, sejam comédias românticas, westerns, dramas sociais, thrillers e musicais) estão lá semana após semana.

É um sinal otimista ou apenas uma garrafa de água em meio a um deserto escaldante que o público apareça para ver “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” e “The Batman” e “Top Gun: Maverick”. Para ser justo, não é inteiramente culpa do complexo industrial do cinema de super-heróis, já que “Missão Impossível II” de Tom Cruise foi o último filme de ação do “mundo real” a liderar as bilheterias globais (com US$ 545 milhões) em 2000. Ele perdeu a coroa doméstica para “O Grinch”, que arrecadou US$ 260 milhões. Depois disso, o topo da cadeia alimentar foi ocupado por Harry Potter, Frodo Bolseiro, Optimus Prime e Homem-Aranha até Homem de Ferro e Cavaleiro das Trevas no verão de 2008. Já faz um tempo excepcionalmente longo desde que heróis não fantásticos governaram o mundo da bilheteria doméstica (e muito menos em todo o mundo).

“Top Gun: Maverick” representa uma mudança nos hábitos de ir ao cinema ou é apenas um relâmpago em uma garrafa?

Mesmo em 2011, um ano antes de “Os Vingadores”, foi quase um milagre que “Missão: Impossível – Protocolo Fantasma” de Cruise tenha arrecadado US$ 209 milhões no mercado doméstico e US$ 694 milhões em todo o mundo (já que “Velozes e Furiosos 5” ganhou US$ 210 milhões/US$ 610 milhões) ao lado dos US$ 350-US$ 380 milhões/ US$ 1,1- US$ 1,3 bilhão de “Transformers 3” e Harry Potter 7.2. No entanto, em uma ironia sombria, esperava-se que a lista dos anos 2020 fosse governada principalmente pelos menos fantásticos como “Velozes e Furiosos 9”, “007: Sem Tempo para Morrer”, “Bad Boys para Sempre”, “Viúva Negra” (que possui controle mental, mas poucos superpoderes), “Tenet” (um história de espiões de carne e osso que usam a nova ciência da inversão do tempo para cenas de ação convencionais), “Mulan” e “Top Gun: Maverick”. Sim, eles prosperariam ao lado dos mais fantásticos “Sonic”, “Mulher Maravilha 1984” e “Os Eternos”. O retorno de Pete Mitchell, James Bond e Mike Slattery deveria representar um retorno para os atores do mundo real.

“Top Gun: Maverick”, um dos últimos lançamentos de 2020 atrasados ​​pela Covid, certamente parece estar cumprindo (bem, muito acima) sua promessa pré-Covid. O mesmo vale para “Elvis” (US$ 75 milhões no mercado interno), mostrando que o público mais velho/irregular queria uma cinebiografia de Elvis. No entanto, se “Trem-Bala” decolar em agosto e “John Wick: 4” continuar sua tendência de alta em março, pode ser um sinal de que há um lugar muito real para os não fantásticos fora do (muitas vezes impressionante) reino do streaming. Isso seria o milagre número dois.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: