Brasil deve assinar cartas de intenção com 5 empresas para compra de vacinas de Covid-19

 Kmatta/Getty Images
Kmatta/Getty Images

Aquisição efetiva vai depender de autorização regulatória e incorporação ao SUS

O Ministério da Saúde informou hoje (22) que deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com cinco empresas para compra futura de vacinas, mas pontuou que a aquisição efetiva dependerá de autorização regulatória e incorporação ao SUS.

Segundo o ministério, foram realizadas reuniões ao longo da última semana com representantes da norte-americana Pfizer; com a Janssen, da Johnson & Johnson; com a indiana Bharat Biotech; com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF); e com a Moderna, também dos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Indiana Bharat Biotech oferece potencial vacina contra Covid-19 ao Brasil

Em nota à imprensa, o ministério afirmou que sua consultoria jurídica e seu corpo técnico estão analisando toda a documentação e verificando a melhor forma de contratação no “momento oportuno”.

“A Saúde agora deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com as empresas para permitir uma futura aquisição de doses, conforme o escalonamento de entrega oferecido e após cumpridos os devidos protocolos, tais como o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o estabelecimento de preço máximo pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) e a recomendação de incorporação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec)”, afirmou.

O ministério disse que a definição dos grupos prioritários para posterior vacinação também dependerá de resultados finais dos estudos de fase 3 dos imunizantes.

Ainda de acordo com o ministério, o governo tem acordos contratuais para acesso a 142,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, que poderão imunizar pelo menos um terço da população brasileira.

“Se tudo ocorrer da maneira planejada, em 2021, o Brasil já poderá produzir na Fiocruz de forma autônoma e com tecnologia nova mais 110 milhões de doses vacinas”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM: Pfizer prevê implantação rápida de vacina contra Covid-19 na América Latina

Até o momento, o governo do presidente Jair Bolsonaro vinha apostando principalmente na vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceira com o laboratório AstraZeneca, e já assinou um acordo para compra do imunizante e futura transferência de tecnologia para produção nacional pela Fiocruz.

Além das vacinas tratadas pelo Ministério da Saúde, o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, tem acordo com a chinesa Sinovac para testagem e produção nacional da vacina em desenvolvimento CoronaVac. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).