Ministério da Saúde libera R$ 59,4 milhões para estrutura do programa de imunização

Kim Hong-Ji/Reuters
Kim Hong-Ji/Reuters

A expectativa de autoridades do governo é que a vacinação contra Covid-19 no país ocorra no primeiro semestre de 2021

O Ministério da Saúde liberou R$ 59,4 milhões para fortalecer o Programa Nacional de Vacinação (PNI) do Sistema Único de Saúde (SUS) com o objetivo de auxiliar na implementação do plano de vacinação contra a Covid-19 no país, informou a pasta ontem (7).

Em nota, o ministério disse que os recursos serão empregados na qualidade da estrutura da chamada Rede de Frio, que compõe o processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos, e a Vigilância Sentinela de Síndrome Gripal, proporcionando condições para o aprimoramento da detecção, análise e avaliação de síndromes respiratórias aguda, incluindo a Covid-19.

LEIA MAIS: Rússia inicia vacinação em massa contra Covid-19

A autorização para os recursos foi publicada ontem em portaria do Diário Oficial da União.

A expectativa de autoridades do governo é que a vacinação contra Covid-19 no país ocorra no primeiro semestre de 2021, após a aprovação de um imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A questão do armazenamento da vacina é fundamental para o sucesso da operação.

Até o momento, a aposta principal do governo federal é na vacina da AstraZeneca em parceira com a Universidade de Oxford, que será produzia no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligada ao Ministério da Saúde.

A vacina mais avançada no mundo, no entanto, é da Pfizer/BioNTech, que começou a ser aplicada no Reino Unido hoje. O Brasil não tem acordo com a empresa, cuja vacina precisa de uma rede mais potente de refrigeração para armazenamento.

Separadamente, o governo de São Paulo trabalha com a vacina da chinesa Sinovac e o governador João Doria anunciou um programa de vacinação a partir de 25 de janeiro. O governo federal, porém, não trabalha com a CoronaVac por enquanto, diante da rejeição do presidente Jair Bolsonaro. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).