Reino Unido aprova vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19

Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

A Agência Regulatória de Medicamentos e Saúde do Reino Unido afirma que a vacina é 95% eficaz na prevenção da Covid-19

O Reino Unido aprovou hoje (2) a vacina contra Covid-19 desenvolvida em parceria entre a Pfizer e a BioNTech, saindo na frente dos Estados Unidos e da União Europeia e se tornando o primeiro país ocidental a aprovar um imunizante que, afirmou, poderá começar a ser aplicado aos mais vulneráveis já na semana que vem.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, classificou a aprovação pelo órgão regulador britânico como uma vitória global e um raio de esperança em meio à pandemia do novo coronavírus que já matou 1,5 milhão de pessoas no mundo todo, além do forte impacto sobre a economia e das alterações na vida cotidiana.

LEIA MAIS: Pfizer e BioNTech pedem uso emergencial de vacina contra Covid-19 na UE

A Agência Regulatória de Medicamentos e Saúde do Reino Unido (MHRA) deu aprovação para uso emergencial da vacina Pfizer/BioNTech, que eles afirmam ser 95% eficaz na prevenção da Covid-19, em tempo recorde –somente 23 dias depois de a Pfizer publicar os primeiros dados de seu estudo clínico em estágio avançado.

“É fantástico”, disse Johnson. “A vacina começará a ser disponibilizada em todo o Reino Unido a partir da próxima semana. É a proteção das vacinas que, em última instância, nos permitirá retomar nossas vidas e fazer a economia andar de novo.”

As principais potências globais têm corrido em busca de uma vacina por meses em uma tentativa de começar a trilhar a longa estrada da recuperação.

VEJA TAMBÉM: Vacinação contra Covid-19 no Brasil terá quatro fases

A aprovação de uma vacina praticamente um ano depois de o novo coronavírus surgir em Wuhan, na China, é um triunfo da ciência, disse o presidente da Pfizer, Albert Bourla.

A China já autorizou o uso emergencial de três vacinas experimentais e já inoculou cerca de 1 milhão de pessoas desde julho. A Rússia vem vacinando trabalhadores da linha de frente depois de aprovar a vacina Sputnik V em agosto, antes mesmo de o imunizante passar por testes em estágio avançado que comprovassem sua segurança e eficácia.

Mas a agência reguladora de medicamentos da União Europeia disse hoje que seu processo mais longo para aprovação de uma vacina contra Covid-19 é mais seguro, pois é baseado em mais evidências científicas e checagens do que o processo emergencial adotado pelo Reino Unido.

Líderes britânicos afirmam que, embora adorariam ser vacinados, a prioridade tem de ser para os que mais precisam –idosos, os que trabalham em asilos e profissionais de saúde. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).