Vacina russa Sputnik V é 91,6% eficaz em teste de estágio avançado

Resultados foram analisados pela comunidade científica e publicados no jornal médico internacional "The Lancet"

Redação
Compartilhe esta publicação:
Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

Houve 16 casos registrados de Covid-19 sintomática entre pessoas que receberam a vacina desde que os testes começaram

Acessibilidade


A vacina russa Sputnik V se mostrou 91,6% eficaz na prevenção do desenvolvimento da Covid-19 nas pessoas, de acordo com resultados de seu teste clínico de estágio avançado analisados pela comunidade científica e publicados no jornal médico internacional “The Lancet” hoje (2).

Cientistas disseram que tais resultados significam que o mundo tem mais uma arma eficaz para combater a pandemia mortal e que justificaram até certo ponto a decisão de Moscou de distribuir a vacina antes de os dados finais terem sido divulgados.

LEIA MAIS: União Química demonstra interesse em estudos clínicos de vacina Sputnik V no Brasil, diz Anvisa

Os resultados, compilados pelo Instituto Gamaleya de Moscou, que desenvolveu e testou a vacina, estão alinhados com dados de eficácia relatados em etapas anteriores do teste, que vem acontecendo na capital russa desde setembro.

“O desenvolvimento da vacina Sputnik V foi criticado por sua pressa indevida, por pegar atalhos e por uma ausência de transparência”, disseram o professor Ian Jones, da Universidade de Reading, e a professora Polly Roy, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, em um comentário compartilhado pelo “The Lancet”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Mas o desfecho relatado aqui é claro, e o princípio científico da vacinação está demonstrado”, disseram os cientistas, que não se envolveram no estudo. “Agora outra vacina pode se unir à luta para diminuir a incidência da Covid-19.”

Os resultados se basearam em dados de 19.866 voluntários, um quarto dos quais recebeu um placebo, disseram os pesquisadores liderados por Denis Logunov, do Instituto Gamaleya, no “Lancet”.

Desde que o teste começou em Moscou, houve 16 casos registrados de Covid-19 sintomática entre pessoas que receberam a vacina e 62 entre o grupo de placebo, disseram os cientistas.

VEJA TAMBÉM: Argentina inicia campanha de vacinação contra Covid-19 com russa Sputnik V

Isto mostra que um regime de duas doses da vacina, que se baseia em dois vetores de adenovírus diferentes e são administradas com um intervalo de 21 dias, foi 91,6% eficaz contra a Covid-19 sintomática.

A Rússia aprovou a Sputnik V em agosto, antes de o teste de larga escala começar, dizendo ser o primeiro país do mundo a fazê-lo com uma vacina contra Covid-19.

Um número pequeno de profissionais de saúde da linha de frente começou a recebê-la pouco depois, e uma distribuição em larga escala teve início em dezembro, mas o acesso foi limitado a membros de profissões específicas, como professores, profissionais médicos e jornalistas.

Em janeiro, a vacina foi oferecida a todos os russos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: