Anvisa recomenda continuidade do uso da vacina da AstraZeneca

A Agência concluiu que não houve alteração no equilíbrio do benefício-risco do imunizante após a reunião entre autoridades regulatórias de vários países.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

A Agência concluiu que não houve alteração no equilíbrio do benefício-risco do imunizante após a reunião entre autoridades regulatórias de vários países

Acessibilidade


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou a continuidade do uso da vacina AstraZeneca contra Covid-19 no Brasil, após ter concluído que não houve alteração no equilíbrio do benefício-risco do imunizante em meio a relatos de efeitos adversos da vacina em países europeus nos últimos dias.

Em comunicado divulgado na noite de ontem (16) em que atualiza as informações sobre o monitoramento do caso, o órgão regulador brasileiro decidiu manter o uso do imunizante, que vinha sendo aplicado por meio de autorização emergencial e recebeu aval na semana passada da agência para uso definitivo.

LEIA MAIS: Fiocruz diz que vacina da AstraZeneca é extremamente segura

Segundo a instituição, a conclusão sobre a vacina foi reforçada após a realização de reunião entre o órgão e autoridades regulatórias de vários países e também com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

“A reunião com as agências internacionais foi feita no âmbito da Coalizão Internacional de Agências Reguladoras, que reuniu um total de 52 representantes“, informou a Anvisa. “A discussão técnica apontou para a necessidade de apresentação de outros dados e o aprofundamento das investigações nos países que invocaram o princípio da precaução para suspender o uso da vacina Oxford/Astrazeneca”, acrescentou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A agência disse que monitora a situação de todas as vacinas em uso no país e ressaltou que o lote do imunizante da AstraZeneca que deu início às suspensões feitas por alguns países não veio para o Brasil. “Nas bases nacionais que reúnem os eventos ocorridos com vacinas não há registros de embolismo e trombose que tenha relação de causa com as vacinas contra a Covid-19”, afirmou o órgão.

Diversos países europeus, incluindo os maiores membros da União Europeia –Alemanha, França e Itália– suspenderam o uso do imunizante nos últimos dias após casos isolados de hemorragia, formação de coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas em pessoas que receberam a vacina, à espera do desfecho de uma investigação da agência reguladora de medicamentos da UE sobre os casos.

Nesta terça-feira, a diretora-executiva da agência europeia EMA, Emer Cooke, disse que não há indicação de que os incidentes envolvendo a formação de coágulos, que ela chamou de “muito raros”, foram causados pela vacina, a afirmou que os benefícios do imunizante continuam a superar os riscos. A investigação da agência continua, acrescentou. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: