Butantan depende de chegada de insumo até dia 20 para cumprir entregas de vacinas

Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Durante entrevista coletiva, Dimas Covas, presidente do Butantan, confirma entrega de 1 milhão de doses ao PNI e a falta de estoque de IFA

O Instituto Butantan depende da chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, até a próxima terça-feira (20) para cumprir o prazo de entrega de mais um lote de cerca de 5 milhões de doses do imunizante até o final do mês, disse o presidente do Butantan, Dimas Covas.

Em entrevista coletiva na sede do instituto, que hoje (14) entregou mais 1 milhão de doses da vacina ao Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde, totalizando 40,7 milhões até o momento, Covas reiterou que o instituto não tem mais estoque de IFA para envasar mais vacinas.

LEIA TAMBÉM: Saúde alerta que 1,5 milhão de pessoas deixaram de tomar 2ª dose de vacina contra Covid

Questionado se o cumprimento do prazo dependia da chegada de uma remessa de 3 mil litros do insumo prevista para até 20 e abril, ele concordou. “Exatamente. Estamos aguardando essa chegada.”

Na última segunda-feira (12), quando o Butantan entregou mais 1,5 milhão de doses da CoronaVac ao PNI, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), garantiu que o prazo de 30 de abril para as 46 milhões de doses da vacina seria cumprido. Também presente na coletiva desta quarta, Doria não comentou as declarações do presidente do Butantan.

Covas também foi indagado se, com a chegada do IFA na próxima terça-feira (20), haveria tempo de envasar e entregar pouco mais de 5 milhões de doses dentro do prazo.

“Ele chega até o dia 20. Nós estamos com a expectativa de que ele chegue antes e vamos iniciar a produção rapidamente. Vinte dias de produção é o máximo (para fabricação), também estamos trabalhando na possibilidade de encurtar o prazo de liberação”, afirmou.

O Butantan também havia afirmado que um segundo lote de IFA, também com 3 mil litros, chegaria ainda no mês de abril. Hoje (14), no entanto, Covas disse que ainda não há autorização por parte do governo chinês para embarque da matéria-prima.

“O segundo lote de 3 mil (litros) ainda não tem autorização Estamos aguardando essa autorização, o material está pronto, mas nós não temos ainda a autorização para fazer a importação desse material”, afirmou.

VEJA MAIS: Brasil vai receber 800 mil doses de vacina da Pfizer contra Covid-19 em junho

Cada um dos lotes de 3 mil litros de IFA é suficiente para o Butantan envasar 5 milhões de doses da CoronaVac, vacina que está sendo majoritariamente usada na campanha de vacinação contra Covid-19 no Brasil.

As doses da vacina da AstraZeneca – algumas importadas prontas e outras envasadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)– ainda são em quantidades reduzidas, devido a atrasos no cronograma de entregas da fundação, ligada ao governo federal.

Covas afirmou que o Butantan tem trabalhado para aumentar o volume de chegada de IFA da CoronaVac e disse que, a partir do segundo semestre, o fluxo dever ser normalizado com a entrada em funcionamento de uma nova fábrica da Sinovac na China.

“O que nós pretendemos neste momento é que o volume de matéria-prima seja aumentado. Então neste momento a participação do governo chinês tem sido fundamental exatamente neste sentido. A Sinovac começa a colocar em funcionamento uma terceira linha, portanto com uma grande capacidade de produção e isso pode melhorar muito o aspecto dos quantitativos de vacinas a partir do segundo semestre”, disse.

 

DOSES ADICIONAIS

O contrato do Butantan com o Ministério da Saúde prevê, além da entrega de 46 milhões de doses da CoronaVac até abril, mais 54 milhões de doses até o final de setembro, que o Butantan promete antecipar para agosto.

Além disso, Doria reiterou que já autorizou a compra de mais de 30 milhões de doses após setembro para uso exclusivo em São Paulo e o Ministério da Saúde manifestou interesse na compra de mais 30 milhões de doses ainda neste ano.

LEIA TAMBÉM: EUA pedem pausa em aplicação de vacina da Johnson & Johnson para investigar coágulos raros

“Nós temos esses 60 milhões – que incluem os 30 milhões de São Paulo, mais os 30 milhões do ministério – já acordados com a Sinovac“, disse Covas.

O governador do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, também reiterou que, com a compra de doses exclusivas, todos os moradores de São Paulo serão vacinados contra a Covid-19 neste ano.” A partir de 30 de setembro, é o governo do Estado de São Paulo que é o comprador”, afirmou Doria.

“A partir de 30 de setembro, serão 30 milhões de doses para imunização dos brasileiros que residem em São Paulo. Volto a afirmar que, aqui em São Paulo, vamos vacinar, vamos imunizar, todos os brasileiros que podem ser vacinados, que podem ser imunizados até 31 de dezembro deste ano.” (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).