Estudo com 67 mil profissionais de saúde confirma eficácia da CoronaVac contra variante de Manaus

Amanda Perobelli/Getty Images
Amanda Perobelli/Getty Images

Funcionários manuseiam frascos da vacina CoronaVac em fábrica do Instituto Butantan, em São Paulo

A vacina contra Covid-19 CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac e envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, é eficaz contra a variante P.1 do novo coronavírus em 50% dos casos apenas com a aplicação da primeira dose, mostrou um estudo feito com 67.718 profissionais de saúde em Manaus, onde a nova cepa – que surgiu na cidade – é predominante.

O estudo, feito pelo grupo de pesquisa Vebra Covid-19 (Sigla em inglês para Efetividade da Vacina contra Covid-19 no Brasil), mostrou que a CoronaVac preveniu o adoecimento pela Covid-19 em 50% dos casos apenas 14 dias depois da aplicação da primeira dose. Uma segunda dose, aplicada entre 21 e 28 dias depois da primeira, é necessária para completar o ciclo de imunização.

LEIA TAMBÉM: Oxford suspende uso de vacina da AstraZeneca em teste pediátrico

Conforme a “Reuters” antecipou no início de março, um outro estudo, esse feito pelo Butantan em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e em menor escala, já havia mostrado a efetividade da vacina contra a variante de Manaus. Para este estudo, o instituto colheu sangue de pessoas que haviam sido imunizadas com a CoronaVac e fez o teste com a variante em laboratório.

A pesquisa em maior escala feita em Manaus comprovou as informações dadas pelo Butantan.

O grupo Vebra, formado por pesquisadores de universidades brasileiras e estrangeiras, servidores de saúde dos Estados de São Paulo e Amazonas, e das cidades de Manaus e São Paulo, segue ainda a pesquisa para verificar a efetividade da vacina depois da aplicação da segunda dose. Ainda assim, a avaliação até agora é de que a CoronaVac é capaz de diminuir a circulação da variante de Manaus.

“Esses resultados são encorajadores porque a CoronaVac continua sendo efetiva na redução de risco de doença sintomática em um cenário com mais de 50% de prevalência de P.1. Esses achados apoiam o uso contínuo dessa vacina no Brasil e em outros países com a circulação da mesma variante”, diz a nota do grupo divulgada hoje (7).

Os pesquisadores também farão o mesmo estudo com a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, envasada no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz. Também no início de março, a “Reuters” antecipou que estudos preliminares apontaram a eficácia deste imunizante contra a variante P.1, informação posteriormente confirmada pela Fiocruz.

VEJA MAIS: Fiocruz diz que demanda internacional por insumos de vacinas gera alerta sobre cronograma

A chamada variante de Manaus foi identificada no início de janeiro, quando o Japão informou ao governo brasileiro que quatro viajantes vindos da cidade carregavam a Covid-19 com uma cepa diferente da encontrada até então.

Mais contagiosa, a chamada P.1 se espalhou rapidamente pelo Brasil e está cruzando as fronteiras para outros países da América Latina. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).