Oxford suspende uso de vacina da AstraZeneca em teste pediátrico

Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

A Agência Europeia de Medicamentos está analisando relatos de um problema de coagulação após a administração de vacinas da AstraZeneca

A Universidade de Oxford afirmou hoje (6) que suspendeu a administração da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em um estudo britânico com crianças e adolescentes. A decisão foi tomada enquanto os pesquisadores aguardam mais informações sobre problemas raros de coágulos sanguíneos em adultos que receberam o imunizante.

A interrupção do ensaio é o mais recente revés para a vacina, depois que vários países restringiram seu uso devido a relatos de problemas médicos após as inoculações.

LEIA MAIS: Países da Europa tomam medidas de precaução com vacina da AstraZeneca

Não houve preocupações de segurança no estudo pediátrico, disse a Universidade de Oxford, acrescentando que aguardará orientação da agência reguladora de medicamentos do Reino Unido antes de dar mais vacinas a crianças e adolescentes.

A universidade afirmou em fevereiro que planejava inscrever 300 voluntários com idades entre 6 e 17 anos, sediados no Reino Unido, como parte deste estudo.

Atualmente, a EMA (Agência Europeia de Medicamentos) está analisando relatos de um problema de coagulação extremamente raro conhecido como trombose venosa cerebral (TVC) após a administração de vacinas da AstraZeneca, e deve anunciar suas conclusões amanhã (7). Uma autoridade da agência disse que existe uma associação “clara” entre o imunizante e a TVC, mas que a causa dos coágulos ainda é desconhecida. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).