Estudo mostra que vacina da AstraZeneca funciona bem como 3ª dose de reforço

Leonhard Foeger/Reuters
Leonhard Foeger/Reuters

Vacina contra Covid-19 da AstraZeneca

A vacina contra Covid-19 da AstraZeneca e da Universidade de Oxford funciona bem com a dose de reforço, melhorando os contra a proteína de espigão do coronavírus entre os participantes de um estudo, noticiou o jornal “Financial Times” hoje (19).

A notícia chega no momento em que fabricantes de vacinas alertam que o mundo precisará de  vacinas de reforço anual, ou vacinas novas, para enfrentar variantes do vírus, mas alguns cientistas questionam se tais vacinas são exigidas.

LEIA TAMBÉM: China reduz volume de IFA da CoronaVac a ser remetido ao Brasil, diz Butantan

O FT citou uma pessoa a par dos resultados do estudo, segundo a qual este mostrou que a reação à vacina de reforço foi “forte o suficiente contra qualquer variante” e que acaba com os temores de que os adenovírus não podem ser usados ​​mais de uma vez.

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford não responderam de imediato uma solicitação de comentário da “Reuters” a respeito do estudo de Oxford, ainda a ser publicado.

A vacina utiliza uma nova tecnologia que emprega uma versão modificada de adenovírus que causa uma gripe comum como vetores para enviar instruções às células humanas.

Esta concepção fez alguns cientistas reconhecerem que as doses percam potência se inoculações anuais se tornarem necessárias para combater novas variantes.

Não se saber quando Oxford e AstraZeneca planejam publicar dados do estudo, acrescentou o FT. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).