Saúde libera vacinação da população em geral em locais que avançarem com prioridades

Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

O plano de vacinação engloba pessoas com idades entre 18 e 59 anos, em ordem decrescente

O Ministério da Saúde anunciou hoje (28) o início da vacinação contra Covid-19 da população entre 18 e 59 anos, em ordem decrescente de idade. No entanto, dirigentes da pasta ressalvaram em entrevista coletiva que a imunização vai depender do avanço da vacinação dos grupos prioritários, como profissionais de educação, e a disponibilidade de doses.

A decisão de iniciar a vacinação da população em geral, segundo a pasta, decorre de uma demanda diminuída de grupos prioritários elencados no plano de imunização, de acordo com o ministério

LEIA MAIS: Após orientação da Anvisa, Ministério da Saúde vai ampliar envio de vacina da Pfizer

A vacinação da população em geral ocorrerá concomitantemente com as pessoas dos grupos prioritários que ainda não foram vacinadas, como os profissionais de educação, e começará de forma escalonada com a faixa etária mais idosa por se tratar da população com maior risco de complicações e óbitos decorrente da Covid-19.

“De maneira concomitante, será iniciada a vacinação da população geral (18 a 59 anos), de maneira escalonada e por faixas etárias decrescentes, até o atendimento total da população brasileira acima de 18 anos”, disse o ministério em nota técnica.

“Portanto, deve-se manter a vacinação dos grupos prioritários, conforme previsto no PNI (Programa Nacional de Imunizações), e Estados e Municípios que não apresentam demanda ou tenham demanda diminuída para vacinação dos grupos com maior vulnerabilidade e trabalhadores de educação, poderão pactuar em Comissão Intergestores Biparte a adoção imediata da estratégia de vacinação segundo a faixa etária em ordem decrescente de idade garantindo o percentual para continuidade da vacinação dos demais grupos prioritários”, destacou o documento.

Segundo a coordenadora do PNI, Francieli Fontana, haverá o envio de um percentual de doses para a população em geral ser vacinada nos Estados e municípios, mas a decisão dos quantitativos vai depender da realidade das localidades.

“Vai depender muito da realidade local. A estratégia inicial é concluir até o grupo dos trabalhadores de educação”, disse Francieli. “Se o município tiver uma demanda bastante reduzida, se não haver procura… já pode abrir (para a população geral). Então é uma avaliação local”, ressaltou.

O secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz, afirmou que o país deve receber 43,8 milhões de vacinas contra Covid-19 no próximo mês.

Do total, 29,9 milhões serão da AstraZeneca, 12 milhões da vacina da Pfizer, 6 milhões da CoronaVac e mais 4,8 milhões pelo Covax Facility (4 milhões da AstraZeneca e 842 mil da Pfizer).

Até o momento o Brasil vacinou 43,7 milhões de pessoas com a primeira dose, o que equivale a 20,8% da população, e 21,5 milhões com as duas doses. Apenas o grupo prioritário soma 78,2 milhões de pessoas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).