Agência dos EUA aponta ligação provável entre miocardite rara e vacinas de Pfizer e Moderna

Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Vidros com logos dos laboratórios Pfizer e Moderna

Casos raros de miocardite em adolescentes e jovens adultos provavelmente estão ligados a inoculações com as vacinas contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech e da Moderna, disse um grupo de médicos que aconselha o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Estados Unidos) em uma apresentação divulgada hoje (23).

O VaST (Grupo de Trabalho Técnico de Segurança de Vacinas contra Covid-19) disse em seu relatório que o risco de miocardite ou pericardite após a inoculação com vacinas baseadas em RNA mensageiro em adolescentes e jovens adultos é notavelmente mais alta após a segunda dose e em homens.

LEIA MAIS: Anvisa autoriza estudo sobre dose de reforço da Pfizer contra Covid

Em outro relatório, o CDC disse que os pacientes com miocardite pós-vacinação geralmente se recuperam e ficam bem.

O Acip (Comitê de Aconselhamento de Práticas de Imunização) se reuniria hoje para avaliar a possibilidade de ligação entre o problema cardíaco e as vacinas de RNA mensageiro. O VaST é um subgrupo do Acip.

O CDC investiga casos de miocardite, sobretudo em homens jovens, há vários meses. No início deste mês, o Ministério da Saúde de Israel disse que viu uma ligação possível entre tais casos e a vacina contra Covid-19 da Pfizer.

Também no início deste mês, o CDC disse que ainda está avaliando o risco do problema e não confirmou uma relação causal entre as vacinas e a moléstia cardíaca.

Mas a agência disse que um número de homens jovens maior do que o esperado teve miocardite após a segunda dose de vacinas de RNA mensageiro, e que mais da metade dos casos relatados ocorreram em pessoas de 12 a 24 anos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).