Anvisa autoriza mais 7 Estados a importarem doses da Sputnik V

As doses poderão ser aplicadas em somente 1% da população, para permitir o monitoramento da vacina pela agência.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Sputnik V/Divulgação
Sputnik V/Divulgação

As doses da Sputnik V poderão ser aplicadas em somente 1% da população dos Estados, para permitir o monitoramento da vacina pela agência reguladora brasileira

Acessibilidade


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou ontem (15) mais sete Estados a importarem doses da vacina russa contra Covid-19 Sputnik V nas mesmas condições controladas que havia estabelecido para outras unidades da Federação no início deste mês.

Com a decisão, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá, Paraíba e Goiás poderão importar doses do imunizante desenvolvido pelo Instituto Gamaleya, de Moscou. As doses poderão ser aplicadas em somente 1% da população desses Estados para permitir o monitoramento da vacina pela Anvisa e uma ação imediata da agência caso necessário.

LEIA MAIS: Câmara aprova projeto que autoriza produção de vacinas contra Covid em fábricas veterinárias

“A Anvisa receberá relatórios periódicos de avaliação benefício-risco da vacina; a vacina deverá ser utilizada em condições controladas com condução de estudo de efetividade, com delineamento acordado com a Anvisa e executado conforme Boas Práticas Clínicas; a Anvisa poderá, a qualquer momento, suspender a importação, distribuição e uso das vacinas importadas”, disse o órgão regulador em nota.

A Anvisa determinou que o Amapá poderá importar 17 mil doses da vacina, Rio Grande do Norte e Mato Grosso 71 mil doses cada, Rondônia 36 mil doses, Paraíba 81 mil, Goiás 142 mil e Pará 174 mil.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em decisão tomada por sua diretoria colegiada em 4 de junho, a Anvisa autorizou, com condições, a importação de doses da Sputnik V após inicialmente rejeitar o pedido feito por Estados do Nordeste, alegando questões de segurança com o imunizante. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: