Molécula em veneno de cobra inibe reprodução do coronavírus, revela pesquisa brasileira

O peptídeo pode ser sintetizado em laboratório, tornando desnecessária a captura ou criação do animal.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

De acordo com testes realizados em laboratório, a molécula extraída do veneno do réptil inibiu em 75% a capacidade do vírus se multiplicar em células de macaco

Acessibilidade


Pesquisadores brasileiros encontraram uma molécula presente no veneno da cobra jararacuçu capaz de inibir a reprodução do coronavírus responsável pela Covid-19, em um primeiro passo para o possível desenvolvimento de um medicamento contra a doença, anunciaram os cientistas.

De acordo com a pesquisa, que foi publicada este mês na revista científica Molecules, testes realizados em laboratório apontaram que a molécula extraída do veneno do réptil inibiu em 75% a capacidade do vírus se multiplicar em células de macaco.

LEIA TAMBÉM: Dia do Nutricionista: 7 aplicativos de alimentação e exercícios físicos para um estilo de vida saudável

“A gente conseguiu ver que os peptídios não só inibiam o desenvolvimento do vírus in vitro, dentro da célula, mas a gente também conseguiu ver que ele conseguia inibir uma das proteínas que é importantíssima para o desenvolvimento do vírus, é a fábrica de novos vírus”, disse à Reuters o pesquisador Rafael Guido, professor no IFSC (Instituto de Física de São Carlos), da USP (Universidade de São Paulo), e um dos líderes do estudo.

A molécula é um peptídeo, ou cadeia de aminoácidos, que consegue bloquear uma enzima do coronavírus chamada PLPro, vital para a reprodução do vírus, sem prejudicar outras células.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Já conhecido por suas qualidades antibacterianas, o peptídeo pode ser sintetizado em laboratório, disse Guido, tornando desnecessária a captura ou criação de cobras.

“A gente tem um receio que as pessoas saiam caçando a jararacuçu pelo Brasil a fora achando que vai salvar o mundo ou a seu grupo, sua família… não é isto”, disse Giuseppe Puorto, diretor do Museu Biológico do Instituto Butantan. “O componente que foi descoberto é uma fração dentro do veneno, e não é o veneno em si que vai fazer a cura do coranavírus nesse momento.”

Os pesquisadores agora irão avaliar a eficiência de diferentes dosagens da molécula encontrada no veneno da jararacuçu, bem como se ela pode exercer outras funções na célula, como a de proteção, evitando até mesmo que o vírus a invada, de acordo com a Unesp (Universidade Estadual Paulista), onde a pesquisa foi iniciada.

“É o primeiro passo de uma longa caminhada… o processo é muito longo. Esse componente do veneno mostrou para gente nesse trabalho que tem potencial de desenvolvimento ali dentro. Numa longa estrada, a gente deu os primeiros passos”, ressaltou o pesquisador.

Participaram da pesquisa, além da USP e da Unesp, a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos).

A jararacuçu é uma das maiores serpentes do Brasil, podendo medir até 1,80 metro, e vive na Mata Atlântica. A serpente também pode ser encontrada na Bolívia, Paraguai e Argentina. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: