Pfizer e BioNTech assinam com Eurofarma acordo de fabricação de vacina contra Covid

A fabricação de doses começará em 2022, a primeira etapa de expansão na América Latina das fabricantes .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

A fabricação de doses começará em 2022, a primeira etapa de expansão na América Latina das fabricantes

Acessibilidade


A Pfizer e sua parceira alemã BioNTech disseram hoje (26) que assinaram acordo com a farmacêutica brasileira Eurofarma para fabricar a vacina contra Covid-19 que desenvolveram para distribuição na América Latina, em uma tentativa de impulsionar ambas as empresas farmacêuticas como fornecedoras de países de baixa e média renda.

A brasileira começará a fabricar doses finalizadas a partir de 2022, a primeira etapa de expansão na América Latina da rede de fornecimento das fabricantes de vacinas. O acordo não cobre o complicado processo de produção da substância de RNA mensageiro, que será feito nas instalações da Pfizer nos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Delta Airlines vai cobrar US$ 200 por mês a mais por plano de saúde de funcionários não vacinados

A Eurofarma deve produzir mais de 100 milhões de doses finalizadas anualmente em plena capacidade operacional, disseram a Pfizer e a BioNTech em um comunicado conjunto nesta quinta-feira.

As empresas também disseram que já enviaram 1,3 bilhão de doses de sua vacina de duas doses contra Covid-19 globalmente e que pretendem entregar 3 bilhões até o final deste ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse que o acordo “expande nossa rede global de cadeia de suprimentos para outra região – ajudando-nos a continuar a fornecer acesso justo e equitativo à nossa vacina contra a Covid-19”.

A expansão planejada ocorre após o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da França, Emmanuel Macron, apoiarem no início deste ano a quebra de patentes de vacinas, que são protegidas por um acordo da OMC (Organização Mundial do Comércio) sobre propriedade intelectual, para impulsionar o fornecimento a países mais pobres.

Países como a Alemanha, onde está a sede da BioNTech, e a própria BioNTech argumentaram que apenas os criadores de vacinas e seus parceiros podem montar rapidamente linhas de produção globais, porque para a tarefa são necessárias bem mais habilidades do que o que está codificado em patentes.

A Pfizer e a BioNTech fecharam no mês passado um acordo com o Instituto Biovac, da África do Sul, para processar e distribuir mais de 100 milhões de doses por ano de sua vacina para a África, também limitado às etapas finais de formulação e envase. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: