Anvisa mantém uso do imunizante da Pfizer em adolescentes

Agência investiga morte de adolescente de 16 anos após aplicação do imunizante .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Julia Rendleman/Reuters
Julia Rendleman/Reuters

Houve um registro de uma morte de um jovem em São Bernardo do Campo que ainda está sendo investigada

Acessibilidade


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) confirmou hoje (16) que investiga o caso da morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina contra Covid-19 da Pfizer.

O órgão regulador, entretanto, ressaltou que não existem “evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina”. Ou seja, manteve o uso do imunizante.

LEIA MAIS: Estados irão manter vacinação de adolescentes, diz presidente do Conselho de Secretários

Mais cedo, em uma entrevista coletiva no qual anunciou a suspensão da vacinação de Covid de adolescentes sem comorbidade, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez menção à morte de um jovem após a vacinação.

Houve um registro de uma morte de um jovem em São Bernardo do Campo que ainda está sendo investigada e não há comprovação de que tenha relação direta com a vacina – por enquanto, o que se sabe é que o jovem morreu na mesma época em que tomou a vacina. O caso, no entanto, foi citado por Queiroga como um exemplo de riscos que estariam sendo assumidos pelos estados. A vacina aplicada foi a Pfizer, autorizada pela Anvisa para essa faixa etária. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em nota, o governo de São Paulo classificou de “irresponsável” a disseminação de informações sobre o caso que, de acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado, ainda está em investigação. “Qualquer afirmação ainda é precoce e temerária”, afirmou.

REAÇÃO ADVERSA

A agência disse ter sido informada ontem (15) que no último dia 2 ocorreu uma “reação adversa grave em uma adolescente após uso da vacina contra a Covid-19”. O órgão afirmou que não há, no momento, uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina e que os dados recebidos ainda são preliminares e necessitam de aprofundamento para confirmar ou descartar alguma ligação.

“A Anvisa já iniciou avaliação e a comunicação com outras autoridades públicas e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação. Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina”, destacou o órgão.

A Anvisa aprovou a utilização da vacina da Pfizer para adolescentes entre 12 e 15 anos em junho de 2021. Para essa aprovação, foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança. Antes disso, seu uso já era permitido para jovens a partir de 16 anos. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: