Estados irão manter vacinação de adolescentes, diz presidente do Conselho de Secretários

Anuncio ocorre após o Ministério da Saúde retirar a recomendação de aplicação dos imunizantes.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

Após Ministério da Saúde voltar atrás de decisão, presidente do Conass afirma que estados continuarão a vacinar adolescentes

Acessibilidade


Os governos estaduais não irão seguir a nota técnica do Ministério da Saúde que retirou a recomendação de vacinação contra Covid-19 de adolescentes de 12 a 17 anos, disse à Reuters o presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde), Carlos Lula, em mais uma etapa da disputa constante entre Estados e Ministério da Saúde.

“Estados não devem seguir. Já oficiamos à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)“, disse Lula, que também é Secretário de Saúde do Maranhão.

LEIA TAMBÉM: Ministério volta atrás e só recomenda vacinação para adolescentes com comorbidades

O ofício enviado à Anvisa solicita um imediato posicionamento em relação ao uso nessa faixa etária da vacina da Pfizer, autorizada pela agência. Isso porque a nota técnica cita a possibilidade rara de ocorrência de miocardite causada pela vacina.

De acordo com o ofício dos secretários, seria um caso de um menino em São Paulo que está sendo investigado pela Anvisa para averiguação se tem de fato relação com a vacina.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Diversas unidades federadas no Brasil já iniciaram a vacinação dos adolescentes com a vacina da fabricante Pfizer, conforme a autorização dada pela Anvisa. Diante da nota técnica… o Conass e o Conasems solicitam imediato posicionamento da Anvisa sobre a autorização para uso da vacina em adolescentes”, diz o ofício.

Os secretários acrescentam ainda que entendem como essencial no controle da epidemia a vacinação de adolescentes e que, “diante do cenário de ampla disponibilidade” de vacinas anunciado pelo ministério, é importante concluir a vacinação da população adulta e avançar na vacinação de crianças e adolescentes.

Uma fonte da agência de vigilância disse à Reuters que a decisão do ministério não passou pela Anvisa, que mantém a avaliação de que a vacina é segura para a faixa etária acima de 12 anos. Segundo a fonte, a decisão foi tomada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sem consulta à agência.

Procurado, o Ministério da Saúde ainda não se manifestou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: