Dose de reforço da CoronaVac reverte queda de anticorpos contra Delta

O estudo surge em meio a preocupações sobre a eficácia da vacina chinesa, que no Brasil é envasada pelo Instituto Butantan.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Funcionário na fábrica da Sinovac em Pequim

Acessibilidade


Uma dose de reforço da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, reverteu a queda nas atividades de anticorpos contra a variante Delta do coronavírus, mostrou um estudo, amenizando as preocupações sobre a resposta de longo prazo do imunizante contra a altamente contagiosa variante.

O estudo vem em meio a preocupações sobre a eficácia da vacina chinesa, que no Brasil é envasada pelo Instituto Butantan, contra a Delta, que se tornou a variante dominante globalmente e está impulsionando uma alta nas infecções mesmo nos países onde a vacinação está mais avançada.

LEIA TAMBÉM: Número de pessoas com demência deve chegar a 78 milhões até 2030, alerta OMS

Vários países que dependeram fortemente da CoronaVac em suas campanhas de imunização começaram a aplicar doses de reforço com outras vacinas, desenvolvidas por laboratórios ocidentais, em pessoas que foram completamente vacinadas com o imunizante chinês.

A atividade de anticorpos neutralizantes contra a Delta não foi detectada em amostras retiradas de pessoas que receberam a vacina após seis meses da segunda dose, de acordo com o estudo publicado no domingo, ainda sem revisão de outros cientistas independentes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas aqueles que receberam doses de reforço mostraram potência neutralizadora mais que 2,5 vezes superior contra a Delta cerca de quatro semanas após a terceira dose, comparado com o nível registrado cerca de quatro semanas depois da segunda aplicação, disseram pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências, da Sinovac e de outras instituições chinesas, segundo o relatório do estudo.

Eles não discutiram como as mudanças na atividade de anticorpos afetam especificamente a eficácia da CoronaVac para prevenir que pessoas adoeçam por causa da variante.

O estudo em laboratório envolveu amostras de 66 participantes, incluindo 38 voluntários que receberam duas ou três doses da vacina.

VEJA MAIS: Farmacêutica MSD inicia testes em estágio avançado de remédio contra Covid

A Organização Mundial da Saúde (OMS) planeja entregar cerca de 100 milhões de doses das vacinas contra Covid-19 da Sinovac e da Sinopharm até o final deste mês principalmente para países da África e da Ásia, na primeira entrega de vacinas chinesas contra a Covid-19 a ser realizada pela entidade.

Mas alguns países rejeitaram receber essas vacinas, alegando a falta de dados sobre a eficácia delas contra a Delta.

Segundo a Sinovac, cerca de 1,8 bilhão de doses da CoronaVac foram distribuídas globalmente, incluindo na China, até o final de agosto. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: