O que a alimentação tem a ver com saúde mental?

Quase 90% de um dos mais importantes moduladores naturais do humor (a serotonina) são produzidos no trato digestivo.

Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

“Várias evidências vêm mostrando que inflamação causa alterações no funcionamento do cérebro e do corpo, que podem contribuir para o desenvolvimento de muitos problemas de saúde mental”

Acessibilidade


A resposta é TUDO. Eu me surpreendo de como estudos relacionados à nutrição mais e mais apresentam uma intersecção importante com a área de saúde mental, que é a que eu atuo. Não por acaso, já existe um novo campo da ciência que busca entender como os alimentos impactam a nossa saúde emocional e o nosso humor: a psiquiatria nutricional.

Pense neste exemplo. Quando alguém se sente estressado, o tipo e a quantidade de alimentos que essa pessoa come geralmente é muito diferente daqueles que se ingere quando se está mais relaxado. Ansiedade e estresse estão bastante relacionados ao alto consumo de alimentos hipercalóricos, cheios de açúcar, gordura, aditivos químicos e corantes, como doces, chocolates etc.

Alguém que tem estresse crônico, ao longo do tempo, pode se ver não só mais gordinho (algo que impacta na saúde – e saúde física também é saúde mental) como, por causa da ingestão desse tipo de alimento nada saudável, pode ter disparado processos inflamatórios no corpo.

LEIA TAMBÉM: Álcool: existe um limite de consumo considerado seguro?

Várias evidências vêm mostrando que inflamação causa alterações no funcionamento do cérebro e do corpo, que podem contribuir para o desenvolvimento de muitos problemas de saúde mental, entre eles a depressão e a própria ansiedade, que acabo de mencionar. Claro que a inflamação não é o único fator de risco, mas um dos fatores que podem aumentar a probabilidade de alguém desenvolver depressão no futuro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Alimentos ultra processados não só podem aumentar esses processos inflamatórios que vão impactar no sistema nervoso central, mas também no intestino. E o intestino, acredite, tem uma ligação importante com a saúde mental.

Quase 90% de um dos mais importantes moduladores naturais do humor (a serotonina) são produzidos no trato digestivo. Daí que se a inflamação causar a alteração na fabricação dessa substância, poderá causar também uma mudança no nosso estado de ânimo.

Por isso, cada vez mais, os profissionais de saúde batem na tecla da importância de se ter uma alimentação equilibrada e baseada em produtos frescos e coloridos. A cada dia, aprendemos mais sobre a saúde do cérebro, do corpo e da “barriga” e como ela impacta na saúde mental.

Se você se interessa por esse assunto, entre 5 e 8 de maio acontece, no Centro de Exposições Frei Caneca, em São Paulo, um congresso que vai discutir esses e outros temas ligados à alimentação e saúde mental (www.gutbraincongress.com).

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: