Afinal, quando devemos iniciar o rastreamento do câncer de intestino?

Doença colorretal é o segundo tumor mais registrado entre os homens e mulheres

Fernando Maluf
Compartilhe esta publicação:
Foto: Getty Images/Morsa Images
Foto: Getty Images/Morsa Images

Quando começar a rastrear câncer de intestino?

Acessibilidade


O câncer de intestino, ou colorretal, é o segundo tumor mais registrado entre os homens (depois de próstata) e as mulheres (depois de mama) aqui no Brasil. 

A colonoscopia é o exame de rastreamento que permite identificar sinais da doença. O procedimento vasculha todo intestino grosso, procurando não só um potencial tumor, mas os pólipos, que são lesões que, no futuro, podem se transformar em um câncer de intestino.

Leia mais: Como uma bactéria pode aumentar o risco de câncer de estômago

A colonoscopia deve ser feita a partir dos 45 anos, segundo as recomendações mais recentes. Anteriormente, a indicação era para que o rastreamento tivesse início aos 50 anos, mas começamos a ter muitos casos de pessoas mais jovens com câncer de intestino. 

Se você tem histórico familiar importante em relação a esta doença, o rastreamento pode ter início até antes, aos 30 ou 35 anos. No entanto, como regra geral, 45 anos é a idade indicada atualmente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quando o resultado não apresenta nada de preocupante, o exame pode ser repetido a cada cinco anos. Caso haja pólipos mais perigosos, a colonoscopia deve ser repetida anualmente ou a cada dois anos, segundo critério médico, para ter certeza de que os pólipos foram retirados.

Portanto, a colonoscopia é um procedimento muito importante, porque reduz de modo significativo a chance de desenvolvimento do câncer de intestino, um dos tumores mais incidentes entre a população brasileira. Converse com o seu médico sobre este exame e quando fazê-lo.

Fernando Maluf é cofundador do Instituto Vencer o Câncer e professor livre-docente da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: