Apps vão transformar modelo de posse de carros

Getty Images
Segundo especialista, a posse de carros entre os jovens adultos está em declínio

Aplicativos como Uber e Lyft devem mudar o modelo de propriedade de carros para serviços baseados em assinaturas e propriedade compartilhada, disseram hoje (23) especialistas da indústria automotiva.

LEIA MAIS: Previsões de 2008 da Uber: o que virou realidade e o que fracassou

Na conferência anual Collision, em Toronto, Canadá, palestrantes afirmaram que os aplicativos de mobilidade também devem desempenhar um papel nos testes de segurança de autônomos.

“Seu telefone será seu carro”, disse Andre Haddad, presidente-executivo da Turo, empresa de compartilhamento que permite que usuários aluguem carros para outras pessoas.

Haddad disse que, embora as vendas de automóveis nunca tenham sido mais altas em todo o mundo, as pessoas estão percebendo que possuir um veículo está cada vez mais inacessível devido aos valores do bem, além de seguro e estacionamento. “Muitos estão percebendo que podem compartilhar seu carro quando não o usam ou podem alugar para recuperar os grandes custos de propriedade”, acrescentou.

Segundo o especialista, a posse de carros entre os jovens adultos está em declínio – cada vez menos pessoas abaixo dos 25 anos compram veículos. Ao mesmo tempo, ele disse que a demografia se estabilizaria e a demanda por carros para eventos como viagens de fim de semana ou férias manteria o interesse.

Scott Hempy, presidente-executivo da Filld, disse que as tendências trabalhistas, como operar remotamente ou no esquema home office, contribuírão para a redução do interesse por carros, e que o compartilhamento mudará a indústria de seguros para taxas por quilômetro, em vez de uma taxa fixa.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).