Aumentam pressões financeiras sobre SoftBank

Reuters
Investimento total da SoftBank na empresa que perde dinheiro aumentará para mais de US$ 13 bilhões

As pressões financeiras sobre o SoftBank Group Corp aumentaram hoje (23), com o acordo para aportar mais de US$ 10 bilhões a fim de assumir a startup de compartilhamento de escritórios WeWork, derrubando as ações já enfraquecidas do conglomerado de tecnologia japonês.

VEJA TAMBÉM: Acordo entre SoftBank e WeWork renderá US$ 1,7 bi para Adam Neumann

O investimento total da SoftBank na empresa que perde dinheiro aumentará para mais de US$ 13 bilhões, o que dará ao conglomerado uma participação de 80% no WeWork, mas não o controle da empresa, agora avaliada em US$ 8 bilhões.

As ações do SoftBank Group caíram 2,5% nesta quarta-feira, acumulando queda de quase 30% em relação ao pico de julho, à medida que o ceticismo dos investidores cresce quanto a lucratividade de investimentos como WeWork e Uber.

O acordo da WeWork está estruturado para evitar que o SoftBank precise consolidá-lo ou assumir obrigações onerosas de arrendamento.

Embora o SoftBank tenha um exército de investidores de varejo no Japão e disposto a comprar seus títulos não desejados, ele já possui cerca de 5 trilhões de ienes (US$ 46 bilhões) em dívida líquida em seu balanço – mais da metade de sua capitalização de mercado de 9 trilhões de ienes.

O custo da proteção padrão no SoftBank Group aumentou, com o swap padrão de crédito de cinco anos saltando 17,7 pontos em uma semana para o nível mais alto desde janeiro.

E AINDA: SoftBank busca controlar WeWork através de pacote de financiamento

Na WeWork, o SoftBank agiu para remover o cofundador e o rosto da empresa Adam Neumann, primeiro como executivo-chefe e agora do conselho de administração da WeWork, após uma tentativa de oferta pública inicial (IPO) e preocupações de governança corporativa.

O diretor de operações da SoftBank, Marcelo Claure, se tornará o presidente-executivo da WeWork, aumentando suas funções, incluindo dirigir um fundo de US$ 5 bilhões com foco na América Latina e conseguir a união entre a Sprint e a T-Mobile US através de reguladores.

O WeWork é “uma acusação grave da metodologia de avaliação e triagem do SoftBank, que precisa mudar para se basear em fundamentos”, escreveu o analista independente Richard Windsor.

O SoftBank, que afirma que seus métodos de avaliação se baseiam nas práticas padrão da indústria, enfrentará baixas contábeis em muitas de suas apostas tecnológicas quando divulgar resultado trimestral no próximo mês.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).