Acordo entre SoftBank e WeWork renderá US$ 1,7 bi para Adam Neumann

Michael Kovac/Getty Images
Com o acordo, o ex-CEO da WeWork Adam Neumann deixará a empresa e desistirá de seus direitos de voto

Resumo:

  • O ex-CEO da WeWork Adam Neumann receberá até US$ 1,7 bilhão para deixar a empresa e desistir de seus direitos de voto;
  • A aquisição da startup pelo japonês Softbank está quase concluída;
  • O conglomerado japonês dará um pacote de resgate de US$ 5 bilhões à empresa;
  • O acordo deve avaliar a WeWork em US$ 8 bilhões, 83% menos do que em janeiro.

Com a aquisição da WeWork pelo SoftBank em fase de conclusão, o ex-CEO Adam Neumann receberá até US$ 1,7 bilhão para deixar a empresa e desistir de seus direitos de voto.

LEIA MAIS: SoftBank oferece empréstimo de US$ 5 bi para WeWork

O conselho da WeWork aceitou o acordo de resgate do SoftBank hoje (22), recusando uma proposta de financiamento alternativa do JPMorgan Chase, informou o “The Wall Street Journal”.

A aquisição pelo SoftBank fará com que o conglomerado japonês dê um pacote de US$ 5 bilhões à WeWork, em um acordo que avaliará a empresa em apenas US$ 8 bilhões – um declínio de 83% em relação à avaliação de US$ 47 bilhões na qual a SoftBank investiu pela primeira vez em janeiro.

Como parte do resgate, a SoftBank pagará US$ 1 bilhão para comprar as ações de Neumann, uma taxa de consultoria de US$ 185 milhões e US$ 500 milhões em crédito para ajudá-lo a pagar seus empréstimos ao JPMorgan, de acordo com o “The Wall Street Journal”.

Espera-se que o executivo do SoftBank Marcelo Claure substitua Neumann como presidente do conselho e, potencialmente, encontre um novo CEO para substituir os atuais cochefes Artie Minson e Sebastian Gunningham, que assumiram o comando após a deposição de Neumann e imediatamente começaram a cortar custos para manter a empresa em funcionamento.

Neumann permanecerá como observador do conselho e manterá uma pequena participação na empresa, que ficará abaixo de 10% depois que ele vender suas ações para o SoftBank.

VEJA TAMBÉM: Cabines telefônicas da WeWork estão contaminadas com formaldeído

No início deste ano, antes que os problemas da WeWork aumentassem, Neumann havia desembolsado US$ 700 milhões em ações e empréstimos.

A WeWork, que foi uma das startups mais valiosas dos EUA, implodiu no último mês e meio. Em meio a preocupações crescentes com o modelo de negócios e governança corporativa da WeWork, Neumann deixou o cargo de CEO e a empresa cancelou seu IPO no final de setembro. A WeWork tenta desesperadamente salvar seus negócios e levantar dinheiro desde então.

Em 10 de outubro, a Forbes reduziu as estimativas de patrimônio líquido de Adam Neumann e seu outro cofundador, Miguel McKelvey, para menos de U $ 1 bilhão cada. O novo acordo com a SoftBank pode aumentar o patrimônio líquido de Neumann em mais de US$ 1 bilhão.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).