Dólar sofre em outubro 2ª maior queda do ano

iStock
O dólar subiu 0,55%, a R$ 4,0091 na venda nesta quinta-feira

O dólar fechou em firme alta na comparação com o real hoje (31), mas acumulou em outubro a segunda maior queda mensal do ano, fruto de melhora da expectativa para o fluxo cambial, da aprovação da reforma da Previdência e de menor percepção de risco no exterior.

LEIA MAIS: Dólar opera estável ante real

No fechamento do mercado interbancário, o dólar subiu 0,55%, a R$ 4,0091 na venda nesta quinta-feira. A valorização é a mais forte desde 15 de outubro. Na B3, o dólar futuro de maior liquidez ganhava 0,40%, a R$ 4,0040, às 17h18.

A apreciação do dólar neste pregão foi ditada por renovados temores quanto às negociações comerciais entre China e Estados Unidos. A volatilidade relacionada à definição da Ptax de fim de mês tampouco ajudou a amenizar a pressão de alta sobre a moeda.

Os ganhos da moeda aqui refletiram a força do dólar no exterior contra outras divisas de risco, como peso mexicano, lira turca e rand sul-africano.

De forma geral, contudo, as últimas duas semanas de outubro foram de alívio para a taxa de câmbio no Brasil.

No fechamento da sessão do dia 17, o dólar foi a R$ 4,1702 na venda, mas na sequência engatou quedas, na esteira de expectativas de melhora de fluxo cambial e também em meio a um ambiente externo mais propício a risco, conforme EUA e China ensaiaram algum consenso tarifário e o risco de um Brexit desordenado diminuiu.

Na segunda metade do mês, operadores viraram as atenções para a esperança de robustos ingressos de capital por ocasião dos leilões do pré-sal, marcados para o começo de novembro.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha abaixo de R$ 4 após Fed cortar juros

As áreas em oferta no leilão de 6 de novembro somam um bônus de assinatura total fixo de cerca de R$ 106,5 bilhões e que deverão ser pagos pelos vencedores do certame, que se tornará a maior rodada de licitações de petróleo da história, segundo as autoridades brasileiras.

As entradas desses recursos ajudariam a amenizar o saldo negativo do fluxo cambial, que em 12 meses até a parcial de outubro está em mais de US$ 30 bilhões. E também poderiam compensar saídas de dólares típicas de fim de ano, quando se aceleram as remessas de lucros e dividendos por parte de empresas estrangeiras com filiais no Brasil.

Um outro fator a amparar o câmbio daqui para a frente é a perspectiva de que o ciclo de queda da Selic esteja mais perto de uma conclusão. Na véspera, o Banco Central sinalizou cautela para o caso de novos cortes do juros no começo de 2020.

“É uma notícia boa para o real”, disseram analistas do Citi em nota a clientes. “Com esse risco (de muitos outros cortes de juros) mitigado, esperamos que o câmbio continue com boa performance no começo de novembro, para quando se esperam fluxos de recursos”, completaram.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).