Ericsson supera estimativas de lucro com demanda acima do esperado para 5G

Forbes
As redes estão no centro de uma guerra de tecnologia entre os Estados Unidos e a China

A fabricante de equipamentos de telecomunicações Ericsson superou as expectativas de lucro trimestral hoje (17) e elevou previsão para o mercado de redes de telefonia para este ano e meta de vendas para 2020, dizendo que a demanda por redes 5G está subindo mais rapidamente do que o esperado.

LEIAS MAIS: Oi testa 5G da Huawei no Rock in Rio

As redes 5G estão no centro de uma guerra de tecnologia entre os Estados Unidos e a China, pois espera-se que elas realizem funções críticas desde em veículos autônomos a redes elétricas inteligentes e comunicações militares, ressaltando sua importância para a segurança nacional.

A Ericsson, da Suécia, que, juntamente com a finlandesa Nokia e a chinesa Huawei, vende a maior parte dos equipamentos de rede de telefonia sem fio 5G, disse que agora visa vendas de 230 bilhões a 240 bilhões de coroas suecas (US$ 23,5 a US$ 24,5 bilhões) em 2020, acima dos 210-220 bilhões de coroas previstos anteriormente.

“Vemos um ritmo muito mais rápido na introdução do 5G do que o esperado”, disse o presidente-executivo da Ericsson, Borje Ekholm, em teleconferência, citando demanda forte particularmente nos Estados Unidos e na Coreia do Sul.

“Deveríamos ter esperado isso? Até certo ponto sim, mas a realidade é que está acontecendo ainda mais rápido do que esperávamos há alguns meses.”

O lucro operacional ajustado da empresa sueca no terceiro trimestre aumentou para 6,5 bilhões de coroas, ante 3,8 bilhões no ano anterior, correspondendo a uma margem de 11,4% e superando a previsão média de 5,2 bilhões de coroas de acordo com pesquisa da Refinitiv com analistas.

LEIA TAMBÉM: Huawei está perto de produzir equipamentos de rede 5G sem peças dos EUA

Ainda assim, a Ericsson manteve meta de margem operacional de mais de 10% para 2020, citando pressão de curto prazo de alguns contratos e custos iniciais mais altos para novos produtos 5G.

A empresa disse que espera que as implantações de 5G na China, onde investiu para ganhar participação de mercado, iniciem “no curto prazo”, acrescentando que provavelmente terão “margens desafiadoras” inicialmente.

A companhia mudou a meta de margem para 2022 para 12%-14%, ante mais de 12% anteriormente.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).