Uber quer acelerar crescimento em mercados em desenvolvimento na próxima década

Anushree Fadnavis/Reuters
CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, fala com a imprensa em evento em Nova Délhi, Índia

A Uber definiu hoje (22) que seu crescimento na próxima década deve ser em mercados em desenvolvimento como a Índia, apesar dos problemas que enfrentou ao se estabelecer na China e no sudeste asiático.

LEIA MAIS: Banco Inter e Uber negociam parceria

A Índia é um mercado muito competitivo, com consumidores exigentes, mas suas “características de rentabilidade” estão melhorando, disse o presidente-executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, a jornalistas nesta terça-feira.

“Se eu olhar para o crescimento da Uber nos próximos 10 anos, ele será definido por mercados como Índia, África e Oriente Médio mais do que mercados desenvolvidos como EUA e Europa”, disse Khosrowshahi.

Enquanto os Estados Unidos são o maior mercado da Uber, a empresa enfrenta forte concorrência da rival local Lyft.

A Uber, que em agosto divulgou prejuízo para o segundo trimestre, ainda não disse quando espera ter lucro. A empresa está tentando convencer investidores de que o crescimento virá não apenas de seus serviços de transporte, mas de outros serviços de logística e entrega de alimentos.

No ano passado, a Uber anunciou que aumentaria seus investimentos na Índia depois de vender operações no Sudeste Asiático à Grab Holdings, de Singapura. E em março, a Uber fechou acordo para comprar a rival Careem, no Oriente Médio.

Enquanto a Uber opera atualmente em aproximadamente 40 cidades indianas, e o país responde por cerca de 11% de suas viagens globais, a empresa está tentando desenvolver negócios de entrega de comida diante da intensa concorrência das rivais locais mais estabelecidos Zomato e Swiggy.

VEJA TAMBÉM: Uber compra controle da chilena Cornershop

Questionado sobre as preocupações do governo indiano sobre uma transição no mercado de transporte que favoreça as empresas de aplicativos, Khosrowshahi disse que isso reflete uma tendência global.

“Para a geração mais nova, o sonho não é possuir um carro, o sonho é ter liberdade. Ter essencialmente qualquer tipo de serviço sob demanda”, disse ele.

“Às vezes, a posse de carros é uma armadilha para impedir a inovação … A Índia não precisa ficar presa por esses sistemas.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).