Ibovespa recua de volta a nível de 116 mil pontos

ReutersAmandaPerobelli
O Ibovespa caiu 0,57% no pregão de hoje (27)

Em dia de volume reduzido, o Ibovespa registrou uma sessão de realização no penúltimo dia de negociações de 2019, chegando a renovar sua máxima intradia durante a manhã, antes de devolver parte dos ganhos da semana encurtada pelo Natal.

O Ibovespa caiu 0,57%, a 116.533,98 pontos, no pregão de hoje (27) e avançou 1,2% na semana. O volume financeiro somou R$ 16,7 bilhões. No mês, o índice acumula ganho de 7,7%.

O otimismo em relação à economia do país em 2020 continua na pauta de agentes do mercado apesar da realização desta sexta-feira. Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a taxa de desemprego no Brasil caiu a 11,2% no trimestre encerrado em novembro, sendo o nível mais baixo da taxa desde maio de 2016.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha na mínima em mais de 7 semanas

“Essa realização não assusta o mercado, não desconfigura nosso otimismo”, afirmou Raphael Guimarães, operador de renda variável da RJ Investimentos, também citando os recentes dados econômicos como impulsionadores do viés positivo do índice.

Entre outros dados corroborando esse cenário, o estoque total de crédito no Brasil subiu 1,1% em novembro sobre outubro, a R$ 3,410 trilhões, no quarto mês consecutivo de alta com o saldo geral de financiamentos no país passou a 47,3% do PIB, divulgou o Banco Central.

No exterior, o bom humor prevaleceu nos mercados financeiros, diante de uma melhora da confiança em relação ao conflito tarifário entre Estados Unidos e China. Tanto o S&P 500, quanto o Dow Jones renovaram suas máximas nesta sexta-feira.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).