Dólar fecha na mínima em mais de 7 semanas

Getty Images
Moeda norte-americana tem mínima em sete semanas

O dólar fechou hoje (27) no menor patamar em mais de sete semanas frente ao real, em um dia de fraqueza para a moeda em todo o mundo, diante do apetite por risco ainda na esteira de dados econômicos melhores e do acordo comercial entre Estados Unidos e China.

No mercado à vista, o dólar caiu 0,30% nesta sessão, a R$ 4,0498 na venda.

LEIA MAIS: Dólar recua 0,42% em dia de giro fraco

É o menor patamar para um encerramento desde 5 de novembro (R$ 3,9932 na venda). Na mínima intradia, a cotação bateu R$ 4,0358 na venda.

Na semana, a moeda perdeu 1,1%, a quarta seguida de queda, mais longa sequência do tipo desde janeiro passado.

No mercado futuro de câmbio da B3, em que os negócios vão até às 18h15, o contrato mais negociado apontava R$ 4,0475, queda de 0,23% na sessão.

O primeiro vencimento de dólar futuro negociou até o momento pouco mais de 212 mil contratos, abaixo da média dos últimos 50 dias, de 378 mil ativos, sinal de que investidores já desaceleram o ritmo de negócios depois do Natal e próximo do novo ano.

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas perdia 0,57%.

No Brasil, o dólar acumula queda de 4,5% em dezembro, apagando boa parte da alta de 5,77% de novembro, quando bateu recordes históricos perto de R$ 4,30. No ano, contudo, a divisa ainda sobe 4,52%.

Analistas acreditam que a aceleração do crescimento da economia brasileira em 2020 pode ajudar a baixar a moeda, uma vez que poderia atrair ingresso de capital ao país, aumentando a oferta da divisa.

Para além de questões locais, há chances de um dólar mais fraco globalmente no ano que vem, o que reforçaria o viés de baixa por aqui.

“Dois fatores podem enfraquecer a moeda norte-americana: uma política mais expansionista do Fed e uma necessidade menor de ativos ‘seguros'”, disseram analistas da CrossBorder Capital em nota recente. “Os dois estão conectados, porque a tomada preventiva de dólares tende a diminuir quando sua oferta novamente se torna abundante”, acrescentaram.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).