Alibaba enfrenta Amazon na Europa, reduzindo taxas para atrair marcas

ReutersAlySong
Uma enxurrada de pequenas empresas aderiu à sua plataforma europeia, o AliExpress, nos últimos meses

Após anos de pesquisas, o rei do varejo chinês Alibaba está entrando no mercado europeu. A empresa tem cobrado taxas menores do que as da Amazon para atrair fornecedores, mas teve resultados mistos, disseram fontes com conhecimento do assunto.

Uma enxurrada de pequenas empresas aderiu à sua plataforma europeia, o AliExpress, nos últimos meses, mas algumas marcas maiores estão se segurando, segundo as fontes.

O AliExpress abordou marcas conhecidas, incluindo Mango, Benetton e o grupo de moda espanhol Tendam, dono da Cortefiel, para vender em seu site, obtendo sucesso limitado, de acordo com cinco fontes envolvidas nas abordagens que pediram anonimato.

Algumas das marcas não sentiram que o site, cujas ofertas de moda incluem uma minissaia de imitação de couro por cerca de US$ 18 e um suéter de acrílico por US$ 14, era a vitrine ideal para seus produtos.

Um executivo de uma grande empresa de moda, que rejeitou as abordagens do AliExpress na Europa, disse que sua marca precisava estar em um “ambiente de aspiração”. Outro descreveu a plataforma AliExpress como “um trabalho em andamento”.

VEJA MAIS: Preços do petróleo caem conforme preocupação com ataque iraniano diminui

No entanto, o chefe do AliExpress, Wang Mingqiang, disse à Reuters em entrevista na sede do Alibaba, em Hangzhou, que marcas estrangeiras precisam de tempo para entender a plataforma.

Com espaço para projetar suas próprias lojas dentro do marketplace, as marcas podem criar sua própria página inicial, com fotos e vídeo, para transmitir a sensação que desejam, disse ele.

Tanto a Benetton quanto a Tendam se recusaram a comentar se foram abordadas. Essas marcas não estão no AliExpress, mas vendem na Amazon. A Mango não está em nenhuma das duas.

Uma porta-voz do AliExpress não comentou se a empresa havia abordado essas marcas ou outras.

“Estamos constantemente explorando oportunidades de trabalhar com diferentes estabelecimentos e comprometidos em atuar como um parceiro confiável para consumidores e vendedores”, disse a empresa.

Inicialmente, a AliExpress tem como alvo Espanha e Itália, além dos países da Europa e Ásia, Rússia e Turquia, entre seus principais mercados no modelo de negócios lançado em 2010.

LEIA TAMBÉM: Apple News atinge 100 milhões de usuários

A Espanha, país com fortes marcas locais, é o tipo de mercado que o Alibaba precisa conquistar para cumprir a meta do presidente-executivo Daniel Zhang de mais do que dobrar sua base de clientes para 2 bilhões de pessoas em 2036, apesar da economia chinesa estar desacelerando.

O AliExpress retirou as taxas mensais para os vendedores na Espanha, enquanto as comissões pelos produtos vendidos são fixadas entre 5% e 8%, segunda uma fonte próxima à empresa.

Em comparação, custa € 39 por mês, mas impostos sobre as vendas, vender na Amazon, além de uma comissão por cada objeto vendido, que vai de 7% a 15%, com alguns itens como joias e acessórios para dispositivos da Amazon exigindo taxas mais altas, disse uma porta-voz da Amazon.

A gigante norte-americana se recusou a comentar sobre a mudança do AliExpress para abrir sua plataforma a vendedores locais. A empresa dos EUA é o maior mercado de compras online em seus cinco principais mercados europeus: Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Espanha, segundo a consultoria Marketplace Pulse.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).