Dólar volta a subir e fecha acima de R$ 4,20

Reuters
Moeda norte-americana fecha acima de R$ 4,20

O dólar fechou acima de R$ 4,20 hoje (21) pela primeira vez desde o início de dezembro, com as operações locais novamente influenciadas pela força da moeda no exterior.

A ausência de sinais consistentes de melhora no fluxo cambial ao Brasil e as perspectivas mais sombrias quanto a isso têm deixado o real mais vulnerável às intempéries externas.

O peso mexicano, uma das moedas de melhor desempenho neste ano, caía cerca de 0,6% no fim da sessão, entre as maiores quedas do dia. Outras moedas latino-americanas se desvalorizavam entre 0,4% e 0,8%.

LEIA MAIS: Vírus chinês é “pretexto” para vendas e Ibovespa cai

No Brasil, o dólar à vista terminou a sessão com ganho de 0,40%, a R$ 4,2060 na venda. É o maior patamar para um encerramento de pregão desde 2 de dezembro de 2019 (R$ 4,2139 na venda).

No pico do dia, a cotação foi a R$ 4,2094 na venda.

Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,42%, a R$ 4,2125.

O clima mais arisco no mercado de moedas neste começo de ano tem contaminado o real e afetado projeções de analistas. Em sondagem do Bank of America com gestores de fundos, mais participantes (40% do total) passaram a ver o dólar entre R$ 4,01 e R$ 4,20 ao fim deste ano. No levantamento do mês passado, a maior parte esperava taxa entre R$ 3,81 e R$ 4.

Ao mesmo tempo, mais analistas consultados na pesquisa previram queda de juros. O fortalecimento recente de expectativas de corte da Selic também tem contribuído para o mau desempenho do real, diante de riscos de redução adicional no diferencial de taxas entre o Brasil e o restante do mundo, deixando o real menos atrativo como ativo de investimento.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).