Johnson propõe financiamento coletivo para que o Big Ben anuncie o Brexit

ReutersTobyMelville
O sino de 13,7 toneladas está praticamente em silêncio desde 2017 devido a uma reforma na Torre Elizabeth

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, propôs hoje (14) uma campanha de financiamento coletivo para que o sino do Big Ben, instalado na torre do relógio do Parlamento, ressoe quando o país se separar da União Europeia.

O sino de 13,7 toneladas está praticamente em silêncio desde 2017 devido a uma reforma na Torre Elizabeth, só tocando para acontecimentos importantes, como as comemorações da véspera do Ano Novo.

O premiê falou depois que uma comissão da Câmara dos Comuns rejeitou uma proposta para o sino anunciar o Brexit porque seria caro demais.

VEJA TAMBÉM: 10 sugestões para Harry e Meghan conquistarem a independência financeira

Johnson disse que custaria o equivalente a US$ 648.450 permitir que o Big Ben toque às 23h do dia 31 de janeiro, o momento em que Brexit deve entrar em vigor oficialmente, mas disse que as pessoas poderiam fazer doações.

“Estamos elaborando um plano para que as pessoas possam dar um trocado por um toque do Big Ben”, disse Johnson em uma entrevista à rede “BBC”.

“Como todos sabem, o Big Ben está sendo reformado, parece que eles tiraram o badalo. Então precisamos reinstalar o badalo para tocar o Big Ben na noite do Brexit. E isso é caro”.

A sugestão do premiê surgiu depois que um grupo de parlamentares pró-Brexit liderou uma campanha para anunciar a desfiliação britânica da UE, após meio século de integração, com um dobrar dos sinos.

Mas uma tentativa de sancionar uma lei para o Big Ben anunciar o Brexit fracassou na semana passada.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).