AB InBev vê queda de 10% no lucro do 1° tri com impacto do coronavírus

Francois Lenoir/Reuters
Francois Lenoir/Reuters

O lucro principal da empresa no quarto trimestre caiu 5,5%, para US$ 5,34 bilhões

A maior cervejaria do mundo, Anheuser-Busch InBev informou hoje (27) que prevê uma queda de 10% no lucro do primeiro trimestre, após o surto de coronavírus atingir as vendas de cerveja durante o Ano Novo Chinês, fazendo com que suas ações despencassem.

A fabricante da Budweiser, Corona e Stella Artois disse que o vírus levou a um declínio significativo na demanda na China – principalmente durante o Ano Novo Chinês.

LEIA MAIS: AB Inbev quer captar US$ 5 bi em IPO na Ásia-Pacífico

O surto, juntamente com a fraqueza esperada no mercado brasileiro mais fraco, pode levar a uma queda de 10% no lucro (Ebitda) do primeiro trimestre do ano, informou a AB InBev, acrescentando que espera um crescimento entre 2% e 5% em 2020, com a maior parte da expansão ocorrendo no segundo semestre.

A empresa sediada na Bélgica, que vende mais Budweiser na China do que no principal mercado norte-americano, disse que a doença reduziu em US$ 285 milhões sua receita na China nos primeiros dois meses deste ano, o que representa uma queda de 2,3% da receita do primeiro trimestre em relação ao ano passado.

A vida noturna foi paralisada na China no final do ano passado, com muitos bares e restaurantes sendo fechados devido ao vírus COVID-19, disse Carlos Brito, presidente-executivo da AB InBev, ecoando comentários da terceira maior cervejaria do mundo, Carlsberg.

As ações da AB InBev caíam mais de 10%. Analistas da Jefferies disseram em nota que o crescimento “é desafiado sem mais sinergias e com preços baixos”.

O lucro principal da empresa no quarto trimestre caiu 5,5%, para US$ 5,34 bilhões, pior do que as expectativas do mercado de uma queda de 1,9%.

“Nosso desempenho em 2019 ficou abaixo das nossas expectativas e não estamos satisfeitos com os resultados”, disse Brito.

VEJA TAMBÉM: AB InBev tem lucro acima do esperado no 2º tri

Os lucros de ambos os principais mercados – Estados Unidos e Brasil – caíram depois que a AB InBev forneceu em excesso para os atacadistas dos EUA no início do ano, enquanto os custos mais altos de commodities e a fraqueza do real prejudicou as vendas no Brasil.

A AB InBev disse que os resultados no Brasil no primeiro trimestre não coincidiriam com os fortes números dos primeiros meses de 2019, quando um Carnaval excepcionalmente tardio levou a um crescimento de receita de 16,7%.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).