Lucro da Bunge supera previsões com forte resultado no agronegócio da América do Sul

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

A incerteza sobre o comércio global ainda obscurece as perspectivas para este ano

A trading e processadora de produtos agrícolas Bunge reportou um lucro trimestral mais forte do que o esperado hoje (12), com o aumento dos preços das commodities impulsionando as vendas dos agricultores na América do Sul e as margens do seu grande segmento de agronegócios.

Mas a incerteza sobre o comércio global e sobre a demanda por alimentos e produtos para alimentação animal da Bunge obscureceu as perspectivas para este ano, com ganhos por ação em 2020 vistos como praticamente inalterados.

A empresa alertou que os resultados do agronegócio poderão cair este ano, à medida que as margens mudem, dependendo do tamanho das safras, das vendas dos agricultores e da implementação de um acordo comercial entre EUA e China.

A Bunge e seus pares do agronegócio Archer Daniels Midland, Cargill e Louis Dreyfus têm sido duramente atingidos por um excesso de oferta de anos de duração seguido por uma guerra tarifária entre os Estados Unidos e a China, que afetou os fluxos comerciais globais.

LEIA MAIS: Especialistas preveem redução do crescimento econômico global em 0,3% com coronavírus

As empresas, conhecidas como ABCDs do comércio global de grãos, também viram a demanda por alimentos para animais afetada por uma doença mortal que afetou porcos na China, conhecida como peste suína africana. O impacto total do surto de coronavírus na China nos negócios da Bunge também permanece desconhecido.

“Ainda estamos enfrentando incertezas em 2020. Esperamos que os mercados permaneçam voláteis enquanto as tensões comerciais entre EUA e China e a peste suína continuarem criando incertezas”, disse o CEO Gregory Heckman, em uma ligação com analistas.

O Ebit ajustado para o agronegócio da Bunge aumentou três vezes, para US$ 177 milhões no quarto trimestre.

A Bunge disse que as vendas líquidas caíram para US$ 10,78 bilhões no trimestre encerrado em 31 de dezembro, ante US$ 11,54 bilhões um ano antes.

O lucro líquido ajustado atribuível à empresa foi de US$ 191 milhões, comparado a US$ 18 milhões no ano anterior.

Excluindo itens, a empresa ganhou US$ 1,27 por ação, acima da estimativa média dos analistas de US$ 0,32 por ação, segundo dados da Refinitiv.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).