Especialistas preveem redução do crescimento econômico global em 0,3% com coronavírus

Reprduçã/oForbes
Reprduçã/oForbes

Especialistas têm previsto que o crescimento econômico global em 2020 será reduzido de 0,2% a 0,3% por conta do coronavírus

Ao passo que investidores em todo o mundo continuam se preocupando com o impacto do rápido surto de coronavírus na economia da China e do mundo, especialistas têm previsto que o crescimento econômico global em 2020 será reduzido de 0,2% a 0,3%. Já o crescimento nos Estados Unidos durante o primeiro trimestre pode sofrer queda de 0,2% a 0,4%.

O coronavírus, que já infectou mais de 43.100 pessoas em todo o mundo e matou 1.018, ultrapassando o nível de gravidade observado no surto de SARS de 2002 a 2003, sem dúvida terá um efeito substancial no crescimento do PIB da China, tanto no primeiro trimestre como no ano todo de 2020.

VEJA MAIS: Bolsas sobem com novos dados sobre coronavírus

No que diz respeito ao aumento dos casos da doença, as estimativas para o PIB dos primeiros três meses na China agora variam de 0% a cerca de 5,5%, o que é abaixo da atual taxa de crescimento anual projetada de 5,9%. O surto de SARS, em comparação, reduziu em 2% o crescimento anual do PIB da China e estima-se que tenha custado à economia global até 0,3%, segundo a “Time”.

Com a economia chinesa hoje respondendo por cerca de 17% do PIB global, há uma crescente preocupação com o impacto que isso poderia ter na economia do mundo, visto que governos e empresas implementam mundialmente paralisações relacionadas a coronavírus e restrições de viagem.

O Moody’s Analytics e o Barclays estimam que o coronavírus deverá reduzir o PIB global em 0,3% em 2020, já a Oxford Economics prevê uma retração de 0,2% no ano.

Nos Estados Unidos, os economistas da Casa Branca ainda veem um impacto econômico do surto limitado, com uma redução esperada de 0,2% no crescimento da economia do primeiro trimestre, segundo o Washington Post. A JPMorgan diminuiu sua previsão de PIB do país no primeiro trimestre em 0,25%, o Goldman Sachs em 0,40% e o Moody’s em 0,45%.

Em seu discurso semestral perante o Congresso ontem (11), o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, abordou essas preocupações, dizendo que o banco central está “monitorando de perto” se o coronavírus afetará a economia dos Estados Unidos, embora também tenha acrescentado que “ainda é cedo para dizer”.

Os especialistas também alertaram que o impacto do vírus poderia ser pior do que o impacto de 0,2% ou 0,3% que a maioria prevê, dependendo da gravidade da doença. Segundo um estudo do Banco Mundial, uma pandemia mais severa pode causar perdas econômicas equivalentes a quase 5% do PIB global –mais de US$ 3 trilhões– enquanto uma pandemia mais fraca, como a gripe suína de 2009, pode afetar em 0,5% o índice.

Embora recentemente o vice-presidente do Federal Reserve, Richard Clarida, tenha chamado o vírus de “coringa”, ele também disse que é improvável que ocorra algum dano duradouro à economia norte-americana se o problema for resolvido em um ou dois trimestres, segundo o “Washington Post”. O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, por exemplo, relatou que provavelmente terá apenas um impacto “mínimo” na economia do país. Como mostram os dados econômicos históricos, uma desaceleração causada por uma crise temporária geralmente precede um aumento nas ações à medida que o mercado se estabiliza.

“Acho que sabemos que haverá efeitos na China durante parte do primeiro semestre do ano, nos vizinhos mais próximos e nos principais parceiros comerciais”, disse Powell durante seu depoimento.

Embora o efeito do surto de coronavírus na economia dos Estados Unidos ainda não tenha sido observado, o secretário de Comércio, Wilbur Ross, afirmou recentemente que na verdade seria bom para os empregos e “ajudará” a convencer as empresas a mudar as operações para a América do Norte. O investidor bilionário Ray Dalio, que detém um patrimônio estimado pela Forbes de US$ 18,7 bilhões, disse recentemente que o impacto do surto nos mercados provavelmente foi exagerado e terá vida curta.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).