Apple vende menos de 500 mil smartphones na China em fevereiro com impacto do coronavírus

ReutersStephen-Lam
No total, as marcas de smartphones enviaram  6,34 milhões de dispositivos em fevereiro, uma queda de 54,7% em relação ao ano passado

A Apple vendeu menos de 500 mil smartphones na China em fevereiro, mostraram dados do governo hoje (9), quando o surto de coronavírus reduziu pela metade a demanda pelos dispositivos.

A China restringiu as viagens e pediu aos moradores que evitassem locais públicos no final de janeiro, pouco antes do festival do Ano Novo Lunar. Essas restrições continuaram durante a maior parte de fevereiro.

No total, as marcas de smartphones enviaram 6,34 milhões de dispositivos em fevereiro, uma queda de 54,7% em relação aos 14 milhões do mesmo mês do ano passado, mostraram dados da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT).

LEIA TAMBÉM: Órgão da ONU vê forte impacto do coronavírus no investimento estrangeiro direto

Foi também o nível mais baixo para o mês desde pelo menos 2012, quando a CAICT começou a divulgar os dados.

Os envios de dispositivos da Apple caíram para 494 mil, de 1,27 milhão contra fevereiro de 2019. Em janeiro, seus embarques mantiveram-se estáveis em pouco mais de 2 milhões.

Os smartphones Android, que incluem dispositivos fabricados pela  e Xiaomi, foram responsáveis pela maior parte da queda, pois coletivamente viram os envios caírem de 12,72 milhões de unidades em fevereiro de 2019 para 5,85 milhões este ano, mostraram os dados.

As empresas de pesquisa IDC e Canalys previam anteriormente que os envios gerais de smartphones cairiam cerca de 40% no primeiro trimestre, à medida que o surto do vírus atingisse a demanda e provocasse problemas na cadeia de fornecimento.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).