Governo estabelece postos e restaurantes a caminhoneiros como essenciais para logística

Getty Images
Postos de combustíveis e restaurantes em estradas são considerados serviços essenciais para permitir o transporte de alimentos e insumos agrícolas

Portaria publicada pelo Ministério da Agricultura hoje (27) considera postos de combustíveis e restaurantes em estradas como estruturas essenciais para permitir o transporte de alimentos e insumos agrícolas em tempos de coronavírus.

A medida, que visa garantir o funcionamento de tais estabelecimentos, foi publicada diante de reclamações de que muitos caminhoneiros estavam deixando de trabalhar ou enfrentando dificuldades para se alimentar, ou mesmo para obter serviços básicos, como borracharias, diante das medidas restritivas para combater a Covid-19.

LEIA MAIS: Tudo sobre o coronavírus

Lojas de conveniência, locais para pouso e higiene, “com infraestrutura mínima para caminhoneiros e para o tráfego de caminhões ao longo de estradas e rodovias de todo o país” também foram considerados serviços essenciais.

A determinação do ministério também considera como essenciais portos, entrepostos, ferrovias e rodovias, municipais, estaduais e federais, para escoamento e distribuição de alimentos, bebidas e insumos agropecuários.

Em reunião com secretários estaduais na véspera, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, havia pedido a colaboração dos Estados para garantir o abastecimento de alimentos e a manutenção dos serviços essenciais, para que a cadeia produtiva funcione durante a crise do coronavírus.

Ela havia adiantado que publicaria tal portaria, que também considera essenciais à cadeia produtiva o transporte coletivo ou individual de funcionários destinados às atividades do agronegócio; transporte e entrega de cargas em geral; produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados.

Segundo a portaria, também são essenciais estabelecimentos de beneficiamento e processamento de produtos agropecuários; estabelecimentos para produção de insumos agropecuários (fertilizantes, defensivos, sementes e mudas, suplementação e saúde animal, rações e suas matérias primas), além de estabelecimentos para fabricação e comercialização de máquinas, implementos agrícolas e peças de reposições.

A determinação vem após, nesta semana, alguns municípios terem determinado o fechamento de operações da agroindústria, apesar de o setor de alimentos ter sido considerado essencial, em uma medida anterior do governo federal.

VEJA TAMBÉM: Caixa amplia em R$ 33 bilhões pacote contra impacto do coronavírus

As medidas são implementadas, ainda, após a indústria do trigo ter reportado problemas para a entrega de farinha aos clientes, devido à descoordenação entre ações federais, estaduais e municipais de combate ao coronavírus, o que criou gargalos para o transporte de mercadorias.

Uma reunião do setor do agronegócio com o governo federal está prevista para hoje e deverá discutir o assunto.

Enquanto isso, a Confederação Nacional dos Transportes (CNT) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar normas editadas por Estados e municípios que determinaram o fechamento de fronteiras locais como forma de contenção da pandemia do novo coronavírus.

Em meio a medidas restritivas para combater o vírus, a associação de empresas de transporte NTC&Logística publicou pesquisa ontem (26) apontando queda de 26% no transporte de cargas gerais, indicando também que a logística da soja recém-colhida tem visto menos problemas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).