WeWork processa SoftBank após oferta de recompra de US$3 bi fracassar

ReutersConnect/Lucy Nicholson
ReutersConnect/Lucy Nicholson

O processo contra o SoftBank é mais um drama que atinge a Wework nos últimos meses, momento da empresa é de desvalorização na casa dos bilhões de dólares

O dono da WeWork disse hoje (7) que processou o SoftBank, desafiando a decisão de seu maior acionista de encerrar uma oferta de recompra de ações US$ 3 bilhões da empresa de compartilhamento de escritórios.

O processo é o mais recente de uma série de dramas a atingir a empresa nos últimos nove meses, período em que a WeWork viu sua avaliação despencar em dezenas de bilhões de dólares, demitiu milhares de funcionários e foi resgatada à beira do colapso financeiro.

LEIA MAIS: 6 maneiras de gerenciar sua carreira durante a crise de coronavírus

O que está em questão é se o SoftBank segue obrigado a comprar outros US$ 3 bilhões em ações da WeWork pertecentes a investidores, incluindo o cofundador Adam Neumann e a empresa de capital de risco Benchmark Capital, além de funcionários atuais e antigos da WeWork.

Na semana passada, a SoftBank disse que encerrou a oferta proposta de ações adicionais da WeWork, citando investigações criminais e civis no início da operação, seu fracasso em reestruturar uma joint venture na China e o impacto da pandemia de coronavírus.

Um comitê especial independente de dois membros do conselho da The We Company entrou com a ação, dizendo que o SoftBank violou obrigações contratuais ao abandonar a oferta pública de aquisição. “O Comitê Especial lamenta o fato de o SoftBank continuar a colocar seus próprios interesses à frente dos acionistas minoritários da WeWork”, afirmou a empresa no processo apresentado no Tribunal de Chancelaria de Delaware. Uma porta-voz da SoftBank se recusou a comentar.

No processo, amplamente esperado após o término da oferta pública, o comitê especial classificou a decisão do SoftBank de encerrar a oferta como “injusta” e alegou que o SoftBank violou suas obrigações.

A WeWork argumentou que as investigações não eram relevantes para os negócios da empresa e que o SoftBank firmou um acordo alternativo para os negócios na China com o investidor minoritário Trustbridge Partners, anulando seu direito de abandonar o negócio. A Trustbridge não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A oferta de compra foi acordada em outubro como parte de um plano de resgate do SoftBank após os planos de IPO da WeWork implodirem.

LEIA TAMBÉM: Quem são os brasileiros no novo ranking dos Bilionários do Mundo

Cerca de US$ 450 milhões da oferta também foram destinados a funcionários atuais e ex-funcionários, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

A WeWork foi particularmente afetado pelo coronavírus, pois suas taxas de ocupação caíram no mês passado e seus maiores clientes foram forçados a sair.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).