As Melhores Startups da América para Trabalhar em 2020

gettyimages-Morsa-Images
A lista foi elaborada depois da avaliação de 2.500 empresas norte-americanas com, pelo menos, 50 funcionários

Se você prefere se arriscar e ingressar em um negócio emergente a ficar vinculado aos degraus da escada corporativa, a vida em uma startup pode ser ideal. Mas, quando o seu potencial empregador pode não existir por mais do que alguns anos, não há um produto específico e muito menos lucro, como saber se aquele é, realmente, um bom lugar para trabalhar?

A FORBES fez uma parceria com a empresa de pesquisa de mercado Statista para identificar as empresas mais promissoras em nosso ranking inaugural das Melhores Startups da América para Trabalhar. A lista foi elaborada depois da avaliação de 2.500 empresas norte-americanas com, pelo menos, 50 funcionários, de acordo com três critérios: reputação, satisfação e crescimento dos funcionários.

Os profissionais que têm atração por empresas em estágio inicial podem ter prioridades de carreira diferentes daqueles que preferem companhias mais estabelecidas, mas as qualidades que ambos valorizam em seus empregadores são surpreendentemente semelhantes. Ter uma missão clara, por exemplo, é o mais importante tanto para os mais de 450 funcionários que trabalham para a Allbirds, número 1 na lista, quanto para os que estão nas folhas de pagamento de alguns dos maiores negócios da América. Desde seu lançamento, em 2016, a marca de calçados Allbirds, de São Francisco, procura criar sapatos confortáveis ​​e neutros em carbono e suas práticas sustentáveis ​​já provaram ser uma ferramenta eficaz de recrutamento. “Os talentos que atraímos estão alinhados à nossa missão de causar impacto no mundo”, diz Laila Tarraf, responsável pela experiência dos funcionários na empresa. “Para as pessoas que querem passar a vida profissional sentindo que estão fazendo algo que contribui para um bem maior, tornamos isso possível aqui.”

A missão importa, mas é apenas uma peça do quebra-cabeça. Oportunidades de crescimento são igualmente importantes, e na Allbirds isso significa priorizar promoções internas. “Nós checamos todo mundo toda vez que fazemos uma mudança”, diz Laila, explicando que, recentemente, queria contratar um consultor externo para uma função de recrutamento aberto, mas percebeu que poderia ser uma oportunidade para alguém que já estava no seu time. “Nos inclinamos para promoções internas e, assim, podemos contemplar alguém entre nossos funcionários.” Sua força de trabalho é jovem – a idade média dos funcionários é de 29 anos. Portanto, ao promover profissionais juniores a gerentes, a Allbirds geralmente contrata consultores externos para garantir que eles tenham a orientação de que precisam para ter sucesso. “Nós realmente nos arriscamos no que diz respeito às pessoas”, diz a executiva.

LEIA MAIS: Blockchain 50: as maiores empresas que adotam a tecnologia

A Chime, vice-líder do ranking, também investiu em aprendizado e desenvolvimento. Desde 2013, a fintech de Bay Area se esforça para mostrar aos funcionários as possibilidades de trajetória profissional antes mesmo do primeiro dia de trabalho. “Antes que todos sejam contratados, os gerentes precisam fazer um plano de 30 e 60 dias para cada funcionário, para que fique claro para eles quais são suas responsabilidades, o que precisam fazer para ter sucesso e quais são seus objetivos”, diz Beth Steinberg, vice-presidente de recursos humanos da empresa. “Isso realmente situa as pessoas no trabalho.” Mas essas rodas de treinamento não são as únicas ferramentas – o processo de integração da Chime envolve um curso intensivo em seu modelo de negócios, algo que a empresa deseja que todos os profissionais entendam. “Garantimos que estamos sendo muito transparentes com as informações, ouvindo as pessoas e respondendo às suas perguntas”, diz ela. “Isso fez uma grande diferença na retenção de  talentos. Nossa rotatividade é extremamente baixa.”

Sue Choe, chief people officer da Petal, a terceira colocada do ranking, elege a transparência como uma chave para o sucesso. “Os funcionários não buscam se manter no mesmo cargo por muitos anos. Eles querem um caminho para o próximo passo”, diz. “Ser muito claro que você oferece essa possibilidade e que possui um sistema de suporte em níveis diferentes é muito importante.” Fundada em 2016, a fintech promove o desenvolvimento por meio de workshops mensais sobre habilidades como ouvir, negociar e apresentar. Essas sessões são facilitadas por um consultor externo, enquanto a executiva complementa o treinamento da liderança para garantir que os trabalhadores estejam aprendendo em todos os níveis.

Muitos são atraídos para as startups por causa de sua estrutura intimista, mas Sue Choe acredita que o que diferencia a Petal são seus processos. As avaliações semestrais, embora não sejam um privilégio muito chamativo, informam aos funcionários exatamente quando seu desempenho será avaliado, o que eles precisam fazer para serem promovidos e quando terão um aumento de salário. “Isso pode parecer meio desagradável se você não estiver apto a lidar com muita responsabilidade, mas quando você é responsável por cuidar de mais de 100 funcionários e seus salários, é importante dar a eles uma sensação de estabilidade”, diz. Mas isso não significa encontrar um organograma fixado na parede. “Eles têm permissão para fazer muitas coisas sem burocracia, e acho isso realmente atraente, não importa quem você seja”, opina a executiva. “As pessoas estão realmente motivadas porque sentem uma verdade em todo o processo.”

Metodologia

Para elaborar a lista, a Statista identificou 2.500 empresas norte-americanas que foram fundadas entre 2010 e 2017 e empreguem, pelo menos, 50 pessoas. Todas elas começaram do zero, ou seja, não foram desmembradas de empresas já existentes. A Statista avaliou cada organização com base em três critérios, sendo o primeiro a reputação do empregador. Foram feitas análises de artigos, blogs e postagens de mídias sociais pertencentes a cada uma delas, buscando frases específicas, como “cultura corporativa” e “envolvimento dos funcionários”. A Statista então avaliou a satisfação dos funcionários, procurando comentários em sites como Glassdoor e Indeed, bem como o crescimento dos mesmos, por meio da análise de suas trajetórias durante um período de dois anos. 

Veja, a seguir, as 50 Melhores Startups da América para trabalhar em 2020:

ReproduçãoForbes

ReproduçãoForbes

ReproduçãoForbes

ReproduçãoForbes

ReproduçãoForbes

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).