Global 2000: Os maiores varejistas do mundo em 2020

GettyImages/ RUNSTUDIO
GettyImages/ RUNSTUDIO

O isolamento social aumentou a demanda por produtos essenciais e gerou ainda mais valor para os grandes varejistas do mundo

A pandemia de coronavírus separou os varejistas em dois campos: essencial e não essencial. Para os maiores do planeta, felizmente no campo dos produtos essenciais, isso significou um aumento repentino na demanda e a contratação frenética de centenas de milhares de trabalhadores, com chances de aumentar ainda mais.

O Walmart saltou dez posições e chegou à 19ª colocação na lista Global 2000 da Forbes das maiores empresas públicas do mundo, conforme medido por uma pontuação composta de receitas, lucros, ativos e valor de mercado. A empresa roubou de volta o título de maior varejista do mundo da Amazon, que ganhou seus lugares e chegou à 22ª posição.

LEIA MAIS: Estratégia para reality show transforma Manu Gavassi num case de marketing

Embora a lista não reflita totalmente o impacto do coronavírus, ela mostra os valores do mercado de ações e os dados financeiros de 12 meses (fechados em 30 de abril de 2020). Expectativas de que uma empresa provavelmente seria vencedora ou perdedora durante a pandemia foram amplamente cotados em suas ações naquele momento. Os rankings também incluem os resultados dos lucros do primeiro trimestre de todas as empresas que haviam relatado até o final do mês.

Varejistas como Walmart, Amazon e Target (nº196) desempenharam um papel crítico na entrega de mantimentos e outros itens domésticos essenciais para os norte-americanos durante a pandemia, tanto na loja física quanto na online. No total, essas empresas contrataram mais de meio milhão de trabalhadores para ajudar a atender à demanda crescente em sua vasta área de lojas e centros de atendimento.

O Alibaba também emergiu como uma importante fonte de equipamento de proteção individual e saltou 28 posições para o 31º lugar. É o terceiro maior varejista do mundo. Em 2019, suas vendas aumentaram 51%, para US$ 56 bilhões.

Outros varejistas que se deram bem durante a pandemia de coronavírus são aqueles que têm permissão para permanecer abertos durante a quarentena ou que vendem produtos online que as pessoas desejam. Na lista deste ano, a Dollar Tree saltou 342 lugares para a 600ª posição, enquanto a Dollar General subiu 205, para a 354ª posição.

As lojas de bricolagem também subiram no ranking. A Lowe subiu 60 pontos para a posição 173, a Home Depot para o número 106. É provável que essas empresas se beneficiem do aumento de gastos em projetos domésticos, pois as pessoas estão passando mais tempo em casa. A Wayfair certamente está se beneficiando dos gastos com móveis para casa e subiu 140 lugares, para a posição 1549.

LEIA TAMBÉM: Uso e qualidade de 4G aumentam durante a pandemia

Enquanto isso, é um momento difícil para ser um varejista de roupas em shopping centers. A L Brands, proprietária da Victoria’s Secret, despencou 679 posições e está em 1990º. A empresa de private equity Sycamore Partners cancelou seu investimento majoritário na cadeia de lingerie em abril, citando a interrupção causada pela pandemia, que segundo ela colocou a empresa em violação do seu contrato. Em maio, as empresas concordaram em encerrar o acordo.

Lojas de departamento, algumas das quais enfrentaram problemas antes mesmo da pandemia, também estão sendo atacadas. A Kohl caiu 244 posições para o número 884 e a Macy’s está em 1000º lugar. A J.C. Penney, que supostamente está pedindo falência, não é grande o suficiente para fazer parte da lista. A Neiman Marcus, que pediu falência na semana passada, é uma empresa privada e, portanto, não é elegível para a lista.

Aqui estão os 20 maiores varejistas de capital aberto, de acordo com as últimas classificações da Forbes:

1. Walmart
2. Amazon
3. Alibaba
4. CVS
5. Home Depot
6. Walgreens Boots Alliance
7. Costco
8. Lowe’s
9. Target
10. JD.com
11. Inditex
12. TJX Companies
13. Dollar General
14. Fast Retailing
15. Suning.com
16. H&M
17. Best Buy
18. Dollar Tree
19. Ross Stores
20. CarMax

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).